'Onde os fracos não têm vez' sai como grande ganhador do Bafta

Já o filme 'Desejo e Reparação', dirigido por Joe Wright, leva o prêmio de melhor filme no Oscar britânico

Efe,

08 Fevereiro 2010 | 22h45

O britânico Desejo e Reparação, de Joe Wright, conquistou o prêmio de melhor filme pelo Bafta (Academia Britânica de Artes Cinematográficas e Televisão do cinema britânico) neste domingo, 10. Já o ator espanhol Javier Bardeme e os irmãos Joel e Ethan Coen, de Onde os fracos não têm vez, conquistaram, respectivamente, os prêmios de melhor ator coadjuvante e melhor diretor.   O filme de Joe Wright era tido como o grande favorito com nada menos que quatorze nominações em distintas categorias, no entanto, nenhum de seus atores principais - James MacAvoy, Keira Knightley e Saoirse Ronan - foram agraciados pela história de ciúmes, mentiras e arrependimento, que tem a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo.    Javier Bardeme competia em sua categoria, entre outros, com seu companheiro de cena, o ator americano Tommy Lee Jones, que encarna no filme um xerife velho que se depara com um rastro de mortos.   O compositor espanhol Alberto Iglesias não teve tanta sorte. Ele ficou sem o prêmio de melhor música por O caçador de pipas, que foi para Christopher Gunning por Piaf - Um hino de amor.   Os prêmios de melhor ator e melhor atriz foram para Daniel Day-Lewis por Sangue Negro, um filme épico sobre a loucura da busca de petróleo na Califórnia, e para Marion Cotillard, que encarnou a lendária cantora Edith Piaf em Piaf - Um hino de amor. A atriz francesa se impôs surpreendentemente à veterana Julie Christie, que interpreta uma mulher vítima do Alzheimer em Longe Dela.   A vida dos outros, de Florian von Donnersmarck, um dos filmes alemães mais bem-sucedidos dos últimos tempos, ganhou o prêmio de melhor filme em língua estrangeira, deixando para trás O escafandro e a borboleta, de Julian Schnabel.   Sangue Negro, que concorria também a outros nove prêmios em diversas categorias, foi para casa como o grande perdedor já que enquanto Onde os fracos não têm vez ficou também com o prêmio de melhor fotografia, enquanto o filme de Paul Thomas Anderson só ficou com o prêmio de melhor ator, para Daniel Day-Lewis.

Mais conteúdo sobre:
Bafta

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.