Omar Sharif é condenado a tratamento para conter raiva

O ator egípcio Omar Sharif, famoso pelo filme Doutor Jivago, não apresentou contestação por ter agredido um manobrista em Beverly Hills e foi condenado, na terça-feira, 13, a tratamento para controle de temperamento. Sharif, de 74 anos, não compareceu à Corte Superior de Beverly Hills que tratou do caso de 2005, mas apresentou apelação através do seu advogado. O recurso apresentado sem contestação equivale, segundo a lei da Califórnia, a uma declaração de culpa. O ator declarou-se inocente de início e mudou a posição no dia marcado para o início do julgamento. Ele foi sentenciado a dois anos de acompanhamento, 15 sessões de aconselhamento de controle de ira e ordenado a ficar longe do funcionário do estacionamento. Ele também foi multado em US$ 1 mil. Tumultos De acordo com a queixa apresentada pelo manobrista Juan Anderson, Sharif estava embriagado quando deixou uma churrascaria em Beverly Hills por volta da meia-noite em junho de 2005 e viu que seu carro não estava na porta. Sharif exigiu que o manobrista encontrasse o carro e ofereceu uma nota de 20 euros como pagamento, e depois o agrediu quando a oferta foi recusada, disseram promotores. Sharif foi acusado de contravenção e poderia ter sido condenado a uma pena máxima de seis meses de cadeia e multa de US$ 2 mil. Em 2003, o ator recebeu de uma corte francesa pena de um mês, em regime aberto, por ter dado uma cabeçada em um policial em um cassino no subúrbio de Paris. Sharif apareceu mais na mídia nos últimos 20 anos como apostador e jogador de brigde do que como ator, escritor de livros e de colunas em jornais e como nome de um jogo de computador, Omar Sharif Bridge, para o qual licenciou seu nome em 1992. Ele ficou mundialmente conhecido, porém, pela atuação em Doutor Jivago, em 1965, filme baseado no livro homônimo de Boris Pasternak.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.