Obama pede 'uso responsável' do espaço e propõe cooperação intrernacional

Revertendo política do governo Bush, Obama diz que os EUA estudarão tratados de limitação de armas

Carlos Orsi, do estadao.com.br

28 de junho de 2010 | 15h30

A nova política do governo dos Estados Unidos para o uso do espaço além da atmosfera da Terra adverte contra a prática de "atos irresponsáveis" no espaço, promete cooperação internacional no monitoramento e alerta para colisões envolvendo lixo espacial e se propõe a estudar planos de controle de armas que sejam "verificáveis, equitativos e que favoreçam a segurança nacional".

 

Veja a íntegra do documento

 

Divulgada nesta segunda-feira, 28, a política espacial inclui as novas diretrizes dadas pelo presidente Barack Obama à Nasa - incluindo a meta de enviar astronautas para além da Lua em 2025 - mas vai além, definindo uma visão de estratégia política, militar e econômica para o uso do espaço. O texto afirma que os EUA não estão mais competindo numa corrida pela conquista espacial.

 

"Os Estados Unidos estão comprometidos em enfrentar os desafios do comportamento responsável no espaço, e se comprometem também com uma promessa de cooperação, na crença de que com uma cooperação internacional e uma liderança americana revigorada, todas as nações" se beneficiarão, diz o resumo do documento.

 

Em seus pontos principais, a política afirma que os EUA reconhecem o direito de todas as nações de "usar e explorar" o espaço para fins pacíficos "e para o benefício de toda a humanidade".

 

O governo Obama também oferece "transparência" para evitar "acidentes, mal-entendidos e desconfiança" quanto a atividades espaciais, e se compromete a levar a cooperação com outros países "ao máximo praticável" nas áreas de ciência espacial, pesquisa da mudança climática, partilha de dados ambientais, mitigação de desastres e vigilância contra lixo espacial e asteroides. 

 

A política reconhece que a indústria aeroespacial americana é "essencial", e que o governo dos EUA estimulará o uso de produtos e serviços espaciais americanos pelos parceiros internacionais.

 

O documento apresentado pela administração Obama difere em vários pontos da que havia sido assinada pelo então presidente George W. Bush, na qual os Estados Unidos se reservavam o direito de "negar acesso ao espaço" a países considerados inimigos e rejeitavam qualquer tipo de acordo para limitar o uso de armas espaciais. 

 

Além da postura mais flexível e da ênfase em cooperação, o foco no uso de dados do espaço para entender e combater a mudança climática é uma novidade da política apresentada pelo presidente Obama em relação à de seu antecessor.

Tudo o que sabemos sobre:
obamaespaçonasaarmas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.