JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

O veloz e furioso Vin Diesel conquista público em SP

No evento para lançar 'xXx - Reativado', que estreia em janeiro, ator diz ‘I Love Brazil’ e fãs deliram

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2016 | 21h18

Vin Diesel acaba de ser homenageado pelo Facebook por haver ultrapassado a marca de 100 milhões de seguidores na rede social. Você pode apostar que muitos deles são brasileiros. Alguns milhares estavam ontem na Comic Com Experience, no painel da Paramount que inaugurou o evento deste ano, à tarde. Na sala, cabiam 3.500 pessoas. Estava lotada. O veloz e furioso veio mostrar cenas de xXx - Reativado, que estreia em 19 de janeiro. Serão mil salas de todo o Brasil, o mesmo número de Velozes e Furiosos 7, que registrou o recorde nacional e internacional da outra série.

Quinze anos depois, Xander Cage está de volta. É o Triplo X. “I Love Brazil”, gritou Vin Diesel ao pisar no palco. “Fiz questão de iniciar por aqui a turnê de lançamento do filme.” O público veio abaixo. E vieram as cenas - os 20 minutos iniciais da produção dirigida por D.J. 

Muita ação, ação eletrizante. “Estava precisando fazer um filme para me alegrar”, disse o astro. “Um filme para fazer o público feliz, para que as pessoas pudessem ver em família.” Vin Diesel é uma figura.

Por uma questão de estratégia, a distribuidora resolveu fazer as entrevistas no Hotel Fasano, nos Jardins. Vin Diesel saiu com certa folga, para manter o horário. No caminho, passou por um campinho onde uma garotada jogava futebol. Vin Diesel parou o carro. Saltaram seus quatro seguranças vindos dos EUA. Ele não quis saber. Misturou-se aos garotos da várzea. Jogou com eles, fez selfies. Não é à toa que tem 100 milhões de amigos.

Cem milhões e um - Renato Aragão, o Didi, estava nos camarins da Comic.Con. Apresentado, Vin Diesel fez questão de tirar foto com ele. 

Depois, para o repórter, o astro comentou: “Quando comecei nessa carreira, não imaginava que um dia pudesse ocorrer essa loucura. Mas é que o mundo mudou. Naquele tempo, não havia a ferramenta da internet. Havia o impresso, com um sistema de entrevistas e divulgação mais lento. Hoje, as coisas vão muito mais longe e mais rápido. A internet criou essa comunidade no Facebook. As pessoas estão conectadas, globalmente. E isso desperta na gente o compromisso. Você tem de pensar nesse público heterogêneo que está atingindo. É estimulante”.

Vin Diesel sabe que o ano que está por vir vai ser decisivo para ele. Três novos filmes, três possibilidades de megassucesso. O primeiro é Triplo X; em abril, virá Velozes e Furiosos 8 e, na sequência, Guardiões da Galáxia 2. Cada um desses filmes encerra o seu desafio. 

“Toretto, de Velozes e Furiosos, é um homem de família. Com ele, comecei a fazer esses stunts malucos, cenas de ação sem limite. Mas ele tem também o lado familiar, mais grave. Toretto é mais denso que as pessoas tendem a acreditar. Xander, de Triplo X, é mais alegre. Participa de toda ação radical, mas é comparativamente mais leve. Quanto a Guardiões, faço um personagem secundário mas muito importante. Uma bizarrice. O público adora o universo de gibi do filme, mas, claro, o herói é Chris (Pratt)”, observa o ator.

O astro é capaz de ficar falando horas sobre as espetaculares cenas de ação. “É todo um time pegando junto. Tudo tem de ser milimetricamente planejado e executado, para evitar riscos. E temos uma equipe maravilhosa. Adoro essa dinâmica.” Logo de cara, nos 20 minutos apresentados à imprensa aparece... Neymar Jr. O craque é cooptado por Samuel L. Jackson para ser herói. Diz que é jogador, não herói. 

Mas logo - olha o spoiler - você vai ver o que ele faz. “Neymar é fabuloso”, diz Vin Diesel. “Tem energia, carisma. É impossível não se envolver com sua juventude, seu entusiasmo, sua alegria, porque ele também gosta do que faz.”

Em outra entrevista, por ocasião do lançamento de Velozes e Furiosos 6, Vin Diesel já havia falado da importância que teve para ele trabalhar com Sidney Lumet, em Sob Suspeita, de 2006. “Todo mundo vê em mim a fisicalidade, ele viu outra coisa. Me convenceu de que eu podia ser ator dramático. Já havia feito papéis dramáticos, inclusive com (Steven) Spielberg em O Resgate do Soldado Ryan. Mas foi Sidney quem me deu a confiança de interpretar. Hoje, nas rápidas cenas que constroem a vida de meus personagens de ação, sinto-me mais confiante de que vou conseguir. “Três grandes hits prometidos para o ano que vem. E o futuro, mais além. “Seguir trabalhando. 

Agora mesmo, enquanto converso com você, já existe uma equipe de roteiristas escrevendo o próximo Triplo X. A Paramount quer começar a filmar em maio, para lançar em 2018. É uma roda viva, mas, nessa altura, não faço para ganhar dinheiro. Faço porque gosto, porque o público gosta. Enquanto meus filmes estiverem agradando ao público, continuo. Faço para o nosso prazer. Deles e meu.” No Brasil, acompanham-no Nina Dobrev, da série The Vampire Diaries, e Michael Bisping, lutador do UFC. “Nina é bela e talentosa. Atirou-se nas cenas de ação. E ele trouxe sua experiência de luta para fazer com que tudo ficasse mais real no set. O público vai amar.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.