MGM
MGM

'Touro Indomável', melhor filme de Martin Scorsese, completa 40 anos

Longa conta a vida de Jake La Motta, um campeão mundial dos pesos médios (até 72,575 quilos) entre os anos de 1949 e 1951

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2020 | 12h51

Em 1995, durante as festividades do centenário do cinema, o lendário ator Anthony Quinn afirmou, ao apresentar um programa para o canal ESPN dos Estados Unidos, que todo ator deveria viver na telona um boxeador. Tal a afinidade entre a sétima arte e a nobre arte. Seguindo esta sugestão, Robert de Niro pode ostentar o fato de ter sido o protagonista há exatos 40 anos de Touro Indomável, longa-metragem que conta a vida de Jake La Motta, um campeão mundial dos pesos médios (até 72,575 quilos) entre os anos de 1949 e 1951.



Touro Indomável é apontado como a maior obra do diretor Martin Scorsese e se coloca, para muitos críticos, à frente na lista interminável de grandes filmes cujo tema é o boxe. Alguns exemplos são: Menina de Ouro (2004), Rocky, Um Lutador (1976), Luta pela Esperança (2005), O Campeão (1979), Ali (2001), Marcado pela Sarjeta (1956) e Hurricane: O Furacão (1999).

Jake La Motta não é um dos maiores boxeadores de todos os tempos, mas sua vida dentro e fora dos ringues foi repleta de polêmicas, muito bem retratadas por Scorsese, De Niro, Joe Pesci (que fez Joey, o irmão de La Motta) e Cathy Moriarty no papel de Vikki LaMotta, a primeira mulher do polêmico pugilista.

Baseado na autobiografia Raging Bull: My Story, escrito com Joseph Carter e Peter Savage, Touro Indomável teve oito indicações para o Oscar em 1981 e venceu com melhor ator (De Niro) e melhor edição (Thelma Schoonmaker). 

O filme foi todo feito em preto e branco para, segundo Scorsese, manter as imagens dos filmes antigos das lutas daquela época. Uma das cenas marcantes, logo no início da produção de 2h09 é o sangue escorrendo nas cordas de um ringue.


 


Na pré-estreia, em Nova York, em 14 de novembro de 1980, ao final da projeção, Jake La Motta perguntou a Vikki se ele teria sido tão ruim para ela quanto De Niro havia interpretado no filme. E ela respondeu: "Sim, você foi pior." O filme retrata o estilo de vida explosivo de La Motta. Seu ciúme doentio pela jovem esposa, o fez perder o casamento e até o convívio com o irmão Joey. Decadente, foi ser uma das atrações de seu bar, após pendurar as luvas, como contador de histórias e piadas. Para viver estes momentos do final do filme, Robert De Niro teve de engordar 30 quilos (de 66 foi a 97 quilos).

A produção também destaca as seis lutas que La Motta teve contra Sugar Ray Robinson, apontado como o maior pugilista de todos os tempos. Ele venceu uma e se orgulhava de nunca ter sido nocauteado pelo espetacular adversário.

Nascido no Bronx, em Nova York, Giacobbe La Motta morreu em 19 de setembro de 2017, aos 96 anos. Pouco tempo antes de morrer, o ex-lutador ainda pulava corda e socava o saco de areia. Sua carreira profissional apresentou 106 lutas, 83 vitórias, 30 nocautes, 19 derrotas e quatro empates.

 

Onde assistir:

  • Telecine Play
  • iTunes
  • Google Play
  • YouTube

     

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.