'O Reino' discute relações entre árabes e os Estados Unidos

Inspirado numa história real, produção busca esmiuçar o conturbado relacionamento entre as duas culturas

Rodrigo Zavala, da Reuters,

07 de novembro de 2022 | 13h13

Entre os filmes críticos à política norte-americana no Oriente Médio, O Reino é, sem dúvida, um dos mais violentos dos últimos anos. Inspirado numa história real, com roteiro assinado por Matthew Carnahan (o mesmo de Leões e Cordeiros, de Robert Redford), a produção busca esmiuçar o conturbado relacionamento entre as duas culturas.  Veja também:Trailer de 'O Reino'  Assinado por Peter Berg, que sempre fez papéis secundários em séries de TV e, agora, acumula uma carreira de cineasta (é dele o filme Bem-Vindo à Selva), o filme tem início com um curioso resumo do que representa a Arábia Saudita atualmente. De forma sucinta - e um pouco simplista -, mostra um reino dominado pelas regras duras do islamismo, avesso a tudo o que é estrangeiro. Tudo isso, claro, até encontrarem petróleo - enquanto procuravam por água - e ter como principal apoiador os EUA. Berg e Carnahan deixam claro que a Arábia Saudita é o mesmo "país amigo" do qual saíram Osama Bin Laden e 15 de dos 19 terroristas que cometeram os atentados do dia 11 de setembro. Tal como é também aquele país cuja família real governa sem muita atenção aos direitos humanos. Depois da apresentação contextual, segue-se um sangrento ataque terrorista ao Complexo Residencial de Al Rahmahos, onde vivem trabalhadores norte-americanos de companhias petrolíferas. O incidente obriga o FBI a enviar uma equipe de peritos para encontrar quem está por trás das brutais mortes (atira-se até em crianças, numa das cenas mais chocantes). Nos Estados Unidos, são destacados para a empreitada o agente especial de Ronald Fleury (Jamie Foxx, protagonista de Ray), a doutora Janet Mayes (Jennifer Garner, da série Alias), tal como especialista em desastres, Grant Sykes (Chris Cooper), e Adam Leavitt (Jason Bateman) - que é judeu e enfrenta problemas antes mesmo de embarcar. O grupo chega ao local com a permissão do príncipe (Omar Bedouni), mas a polícia e o exército local não querem colaborar. Apenas o coronel Faris Al-Ghazi (Ashraf Barhom) decide romper algumas regras em benefício do grupo. Por seu conteúdo violento - a linguagem também é extremamente agressiva -, o filme mostra personagens fortes, motivados pela loucura e o sentimento de vingança. As boas performances do elenco tornam a produção mais verossímil, dentro de uma narrativa alinhada à veemente crítica de Matthew Carnahan, junto a excelentes cenas de ação. O filme, no entanto, peca em certos pontos, principalmente ao mostrar, sem qualquer pudor, uma imagem mesquinha e desagradável dos árabes para enaltecer os agentes norte-americanos. Mais infelizes são as saídas fáceis e um tanto arbitrárias para resolver os conflitos mais complexos (quando o grupo conta com a ajuda de uma criança, simpática a eles por ganhar um pirulito em cenas anteriores). No fim, O Reino é indicado para quem tem estômago forte e interesse pelos conflitos no Oriente Médio. (Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

Tudo o que sabemos sobre:
O Reinoestréia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.