"O Primeiro Dia" é lançado em DVD

Talvez não tenha sido uma boaestratégia de marketing. A idéia de lançar Abril Despedaçadoapós a possível indicação do filme para o Oscar lançou o belotrabalho de Walter Salles no limbo, após a não indicação. Depoisde idas e vindas, Abril ganhou a data definitiva de 3 demaio. Tome nota: nesse dia você vai poder assistir a um dos maisbelos filmes brasileiros, o melhor e mais maduro de Salles, comcerteza. Não representa pouco, considerando-se que ele é o autordo filme brasileiro mais premiado (e apreciado) em todo o mundo,nos anos 90: Central do Brasil. À espera do lançamento da obra-prima de Waltinho vocêencontra, nas locadoras e lojas especializadas, outro importantedo trabalho do cineasta em DVD. O Primeiro Dia, que Sallesco-dirigiu com Daniela Thomas, sua parceira em TerraEstrangeira, inaugura uma nova coleção da Versátil dedicada aocinema nacional. Sob o título Mestres do Cinema Brasileiro, a coleçãoprivilegia obras e autores que contribuíram para odesenvolvimento da arte do cinema no País. O segundo volume dasérie será Todas as Mulheres do Mundo, de Domingos deOliveira, com a mítica Leila Diniz. Chega ainda neste mês àslocadoras, num DVD duplo pelo elevado número de extras que vaioferecer. Para alegria dos cinéfilos, a Versátil anuncia tambémoutras coleções, dedicadas a Federico Fellini, aos irmãosTaviani, aos mestres do cinema mundial e ao novo cinemabrasileiro. As Noites de Cabíria, num DVD também duplo, vaiinaugurar a coleção Fellini em maio. Também em maio devem sairUm Copo de Cólera, de Aluizio Abranches, e OutrasHistórias, de Pedro Bial, que representam o novo cinemabrasileiro (o cinema da retomada). E A Eternidade e Um Dia,de Theo Angelopoulos, vai inaugurar a coleção de mestres docinema mundial. Só esses lançamentos, que terão continuidade ao longo doano, já serão atraentes para espectadores interessados em montaruma vedeteca de alto nível. Cada um deles compõe, em si mesmo,um item de colecionador. O DVD de O Primeiro Dia incluiseleção de cenas, o curta Somos Todos Filhos da Terra,trailer de cinema, galeria de fotos, filmografias e muitosoutros extras. A própria embalagem, embora carregue demais noprateado, é muito bonita. A capa. Fernanda Torres ao espelho,com um corredor no meio, sugere um jogo de imagens digno deVelásquez (em As Meninas). O Primeiro Dia começou a nascer com o título deMeia-Noite. A idéia foi da rede francesa Arte, que pediu adiretores de todo o mundo que fizessem telefilmes para uma sérieintitulada 2000 Vu par..., que deveria situar-seobrigatoriamente na passagem do ano, entre 1999 e 2000. Daí otítulo inicialmente previsto, Meia-Noite, que começou a mudarquando Salles e Daniela resolveram editar o material numa versãopara cinema. Nascido como projeto de encomenda, nas condições jáespecificadas, nada autorizava supor que O Primeiro Dia setornasse a obra singular que é. Salles e Daniela já haviamrevelado entrosamento em Terra Estrangeira. Depois, ele partiu para a experiência-solo de Centraldo Brasil. Reuniu-se de novo com Daniela no lançamento daVersátil e foi para outra experiência-solo, o deslumbranteAbril Despedaçado, que adaptou do romance de Ismail Kadaré. O Primeiro Dia conta a história de um encontro (oudesencontro?) na cidade grande. Fernanda Torres, que já haviatrabalhado com a dupla de diretores em Terra Estrangeira,faz a mulher abandonada que resolve se suicidar em plenoréveillon. Luiz Carlos Vasconcellos é o bandido saído da cadeiaque vai se esconder justamente no alto do edifício de onde elapretende jogar-se. Com os fogos de artifícios ao fundo, napassagem do ano, essas duas vidas terminam por cruzar-se. Em Terra Estrangeira, Salles e Daniela já haviamusado um episódio real - o confisco na era Collor - paradiscutir o apartheid social no País e a própria questão daidentidade nacional. Os personagens de Fernanda e Fernando AlvesPinto refaziam, em sentido inverso, a trajetória dosdescobridores. Em O Primeiro Dia, a idéia do apartheidsocial é ampliada por meio do fugaz encontro dos protagonistas.É um filme forte, intenso, violento. Põe na tela uma sociedadeque exclui seus cidadãos ou nem os considera cidadãos. É um bominício para a coleção da Versátil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.