Divulgação
Divulgação

O premiado filme 'A Lição' coloca a ética de uma professora em debate

O diretor Petar Valchanov fala sobre produção búlgara que ele e a mulher realizaram baseados numa notícia de jornal

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

11 de junho de 2015 | 08h00

Kristina Grazova e Petar Valchanov são crias do Berlinale Talent Campus. Todo ano, o Festival de Berlim seleciona novos diretores e promove oficinas para aprimoramento de projetos e vocações, inclusive com possibilidade de participação financeira em obras difíceis de viabilizar. A dupla de diretores búlgaros – um casal – passou pelo Campus. Numa entrevista por telefone, de Sofia, Petar conta que foi uma experiência decisiva. Dela nasceu A Lição, longa que estreia nesta quinta-feira, 11, em São Paulo depois de percorrer com êxitos festivais internacionais. Petar e a mulher viraram os novos queridinhos da crítica. Juntos há dez anos, desde que se graduaram –, somam no currículo curtas e um filho. Por mais difícil que seja fazer cinema na Bulgária, estão conseguindo. A Lição trata da ética num mundo em que as pessoas, levadas ao limite, transigem com as próprias convicções.

É possível manter-se íntegro num mundo corrupto? É a questão que aflige a professora Margita Gosheva. Pavel conta que o longa nasceu de uma manchete de jornal: ‘Professora assalta banco’. Kristina e ele leram a notícia, interessaram-se. Fizeram alguma pesquisa de campo, mas perceberam que deviam se manter distantes da personagem real. “Desde os curtas, percebemos que trabalhar sobre dramas reais é muito bom como inspiração, mas pode ser paralisante se a gente não dispuser de liberdade para ficcionalizar. O que nos interessa, no limite, é a ficção.” Foi assim que, no desenvolvimento do roteiro de A Lição, o casal fez escolhas.

O filme é sobre uma mulher – professora – que se vê pressionada a dispor de dinheiro rapidamente, sob pena de perder a casa. Sem opção, ela encara o que parece um desafio louco – roubar o banco. O marido vira um personagem de fundo na história. Quem ganha destaque é outro personagem 100% fictício – 100%? “Lembrei-me de um episódio da minha infância, de um colega, um pequeno ladrão, que foi preso na escola. Conversei muito com Kristina, e ela adorou. Procurávamos uma saída para criar um dilema moral e ético para nossa professora. Quando ela descobre o ladrão na turma, sua tendência é puni-lo. Ao mesmo tempo, busca justificativas para seu ato, o mesmo que considera injustificável no garoto.”

A história já estava nesse pé quando Kristina e Petar foram para o Talent Campus. Foi lá, em contato com colegas e orientadores, que A Lição tomou sua estrutura definitiva. “Não queríamos que nossa história virasse um dramalhão. Ela já tinha humor, mas foi nossa orientadora que nos estimulou a investir num aspecto que estávamos minimizando – o policial. Sem transformar nossa ‘chamber piece’ num filme de gênero, começamos a abrir o que era quase um exemplo de filme de câmara, fechado no dilema da protagonista. Foi muito estimulante trabalhar o suspense. Nunca tínhamos feito isso antes. Descobrimos que você pode escrever e até filmar uma cena pensando em criar tensão, mas o recurso só surge mesmo na montagem. Esse elemento ‘policial’ foi o que mais tempo nos tomou na edição.”

A atriz que faz a professora, Margita Gosheva, é muito conhecida – e respeitada – na Bulgária, mas deve sua fama principalmente à atividade no teatro. “Margita já fez alguns papéis no cinema, mas não como protagonista. Precisávamos de alguém com seu carisma e presença cênica. No começo, ela vacilou, sentiu-se insegura, mas Kristina e eu logo percebemos que nossa escolha fora acertada.” O garoto é filho do compositor que trabalha com a dupla desde os curtas.

“Ele não é completamente estreante, porque já fez alguma coisa em cinema, mas como o conhecíamos bastante a relação foi de confiança.” O grande problema, Petar admite, foi trabalhar com pouco dinheiro. “Mas é a realidade do país. Não existe só uma crise econômica, há também uma tendência a negligenciar a atividade cultural.” Kristina e ele conseguiram parceiros na Grécia, que vive uma situação de crise maior ainda, e na Alemanha, para a pós-produção.

Nas pesquisas para elaboração do roteiro, Pavel e a mulher ouviram tantas histórias que decidiram fazer de A Lição parte de uma trilogia. “Para dizer a verdade, o filme deveria ser o fecho da nossa trilogia sobre a ética, mas as circunstâncias nos fizeram começar pelo fim. No mês que vem, começamos a filmar o próximo, sobre o que ocorre com um homem, um trabalhador, que acha uma fortuna nos trilhos do trem. Sua honestidade lhe cria problemas. Vai ser bem estimulante de fazer.”


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.