Robyn Beck/AFP
Robyn Beck/AFP

O Oscar do tapa na cara

Delírios à parte, o tapa na cara para valer veio com a atribuição de melhor filme ao simpático mas apenas mediano No Ritmo do Coração

Luiz Zanin Oricchio, Especial para o Estadão

28 de março de 2022 | 15h11

A cerimônia de 2022 passará para a história como o Oscar do tapa na cara. O primeiro - literal - de Will Smith no apresentador Chris Rock. O segundo, em quem acreditava que o Oscar estivesse em processo de evolução. 

Quanto à agressão de Smith a Chris Rock, pouco antes de o ator receber seu primeiro Oscar pela atuação (boa) em King Richard, há pouco que acrescentar. Smith foi tão bizarro, ao sair de maneira intempestiva em defesa de sua mulher, supostamente agredida por uma piada sem graça (pleonasmo), que ensejou até mesmo teorias da conspiração nas redes sociais. Com o Oscar em busca desesperada por índices de público, tudo teria sido armado, pois, como se sabe, nada como um escândalo para bombar a audiência em nosso mundo. 

Delírios à parte, o tapa na cara para valer veio com a atribuição de melhor filme ao simpático mas apenas mediano No Ritmo do Coração. Havia, pelo menos, três filmes melhores para serem escolhidos pelos votantes da categoria principal - Ataque dos Cães, Drive my Car Licorice Pizza. Nada disso. Preferiram eleger essa singela refilmagem norte-americana do francês Família Bélier. Em época de inclusão, a história da família de surdos que se apoia sobre a filha, a única entre eles que ouve, para tocar seu negócio de pesca, dá força a No Ritmo do Coração. Em termos cinematográficos, no entanto, não chega aos pés dos concorrentes. 

O grande derrotado da noite foi Ataque dos Cães, que chegou com doze indicações e saiu apenas com uma estatueta, a de direção para a neozelandesa Jane Campion. Certo, é prêmio de peso, ainda mais pelo fato de Campion ser apenas a terceira mulher que o recebe. Mas Ataque dos Cães merecia mais - em especial a estatueta de melhor filme. 

Já o filme mais adulto e elaborado desta edição, o japonês Drive my Car, venceu na categoria em que era mesmo favorito, a de filme internacional. Havia quem tivesse esperança de que ele repetisse a proeza do coreano Parasita que, dois anos atrás, acumulara as estatuetas de filme internacional, direção, roteiro e melhor filme. Parecia o anúncio de uma revolução em curso. Mas, como se verifica, era apenas uma ilusão. Como os rios voltam ao seu leito, Hollywood retornou à sua zona de conforto.

Desastrosa na atribuição do prêmio máximo, esta 94ª edição apresentou acertos em outras categorias. O melhor documentário tinha mesmo de ser Summer of the Soul, sobre o grande festival de música negra de 1969, então eclipsado pelo de Woodstock. O troféu de melhor atriz foi para Jessica Chastain por sua caracterização de uma tele evangelista, Tammy Faye Messner, em Os Olhos de Tammy Faye. Ariane DeBose brilhou na refilmagem de Amor Sublime Amor e recebeu a estatueta de melhor coadjuvante. Troy Kotsur levou o troféu de melhor ator coadjuvante e fez um emocionante discurso em linguagem dos sinais. Foi o primeiro homem surdo a receber um Oscar. Era o prêmio que No Ritmo do Coração realmente merecia. 

No resto, tudo normal. Até mesmo troféu de melhor ator a Will Smith, embora o trabalho de Benedict Cumberbatch em Ataque dos Cães seja superior. Mas parece que a ordem era não inflar muito a bola dessa produção da Netflix. Em todo caso, a vitória de Smith é defensável. Muito mais que seu discurso lacrimoso ao receber o troféu. Vinte minutos após haver esbofeteado o colega em público, pediu perdão à Academia (mas não a Chris Rock), pregou o amor, a proteção à família e a paz entre os homens. Não deixa de ser uma metáfora para a relação entre nações: primeiro se agride, depois se defende a paz e o amor. A única frase sincera, em meio àquela torrente de lágrimas, foi a que dizia “que o amor nos leva a fazer coisas loucas”. Disso ninguém duvida. Quanto ao resto…

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.