"O Jardineiro Fiel" é bem recebido pela crítica

O O Jardineiro Fiel, novo longa do brasileiro Fernando Meirelles, com produção internacional e elenco inglês, concorre ao Leão de Ouro, no Festival de Veneza, que dá a largada hoje, mesmo dia da estréia mundial do filme, que chega ao Brasil apenas em 14 de outubro.Estrelado por Ralph Fiennes e Rachel Weisz, o filme é uma adaptação do romance homônimo de John Le Carré e conta a história de um diplomata britânico no Quênia que busca desvendar o mistério do assassinato de sua mulher. O longa recebeu críticas positivas das principais publicações dos Estados Unidos, que além de exaltarem o talento do elenco, destacaram a qualidade da direção de Meirelles.Para Kirk Honeycutt, da revista Hollywood Reporter, as tramas dos romances de John le Carré, que envolvem espionagem, corrupção e forças do mal, podem se tornar truncadas, dificultando sua adaptação para o cinema, o que, para ele, não acontece em O Jardineiro Fiel. Honeycutt credita isso à "inspirada escolha de Fernando Meirelles, o brasileiro diretor Cidade de Deus indicado ao Oscar, para levar a história ao cinema. Seu estilo impressionista de filmar funciona surpreendentemente bem para capturar a urgência hipnótica da ficção de le Carré". Em sua crítica ao longa, Richard Corliss, da Time Magazine, destaca a atuação de Ralph Fiennes, no papel do protagonista, Justin Quayle. Corliss descreve o momento inicial do filme, quando Quayle recebe a notícia da morte de sua mulher, como exemplo do talento do ator. "Com a câmera parada nele, esperando uma reação, Fiennes não libera sua raiva ou suspira. Ele não libera um rio de lágrimas ou de obscenidades. Ele quase não se move. Mesmo assim, os espectadores atentos verão sua pálida face ficar ainda mais branca. Eles verão o espírito dele afundar enquanto ele luta para manter-se correto". ´Você pode ver o que ele está pensado, no rosto dele´, diz Rachel Weisz, que interpreta a mulher de Quayle, Tessa."Corliss também ressalta a relação de Fiennes e Meirelles. "Ator e diretor formam um par esperto. O resultado é uma história do Primeiro Mundo vista pelos olhos agudos de um autor do Terceiro Mundo - um filme de nuance e poder". Brento Simon, crítico da revista Screen, diz que Meirelles mostra que não era o diretor de um único sucesso - após Cidade de Deus conquistar a crítica internacional - com seu filme sobre intriga internacional na África. "Parte retrospectiva de uma história de amor, parte mistério policial, parte drama, é um bem articulado, lindamente filmado, protesto contra a exploração do Terceiro Mundo nas mãos de interesses empresariais mercenários". Simon aposta que o filme, cuja estréia mundial acontece em Veneza, faça bonito nas bilheterias. Para Todd Mccarthy, da Variety, "a versão cinematográfica de Fernando Meirelles para o incisivo romance de John le Carré consegue capturar as preocupações e temas essenciais do livro". "Usando o mesmo estilo que deu imediatismo vibrante a seu sucesso internacional Cidade de Deus, no qual colaborou com Katia Lund, (...) ele dá vida às locações no Quênia". Para o crítico, Meirelles leva O Jardineiro Fiel "na direção de um docudrama". Ken Tucker, da New York Magazine também elogia a atuação de Fiennes, dizendo que o ator "oferece uma das atuações mais sutis, e ao mesmo tempo emocionantes, do ano". O crítico ressalta a direção de Meirelles, cuja câmera se alterna entre tomadas lânguidas e frenéticas, "permitindo que se observe as nuances da trama".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.