Dino de Laurentiis Cinematografica
Dino de Laurentiis Cinematografica

'O Estrangeiro', de Luchino Visconti, merece revisão, 50 anos depois

Considerado um dos filmes menores do diretor italiano, produção será exibida no Cinesesc

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

13 Março 2018 | 09h38

Há um momento, durante o julgamento em O Estrangeiro, em que aparece brevemente um repórter, fazendo anotações – é Luchino Visconti lembrando que Albert Camus foi jornalista, antes de se tornar grande escritor (e vencer o Nobel). Ainda no tribunal tem a cena que agride o ouvido. Diz o juiz — "In nomine del popolo... francese!" Visconti sempre gostou dos elencos internacionais e já desde o começo dos anos 1950 trabalhava com atores – astros – de língua inglesa e francesa, enquanto seus colegas dos primórdios do neo-realismo ainda insistiam com não profissionais. O método de Visconti com atores era polêmico. Ele os dublava, sempre.

A grande retrospectiva de Visconti vai chegando ao fim no Cinesesc. O sucesso tem sido imenso, superior a toda expectativa. Alguns filmes ganharam sessões extras, para atender à demanda. Morte em Veneza e O Estrangeiro, que passa nesta terça, mais uma vez, às 21h50. A adaptação de Camus talvez seja o filme de Visconti mais hostilizado por parte da crítica. Nenhum talvez lhe tenha causado tantos problemas. A ideia foi amadurecida enquanto Visconti dirigisa Silvana Mangano no episódio de As Bruxas. O marido da atriz, o produtor Dino De Laurentiis, possuía os direitos do livro. Não precisou de muito esforço para persuadir Visconti.

+ Análise: assistir aos filmes de Luchino Visconti é ver uma arte levada ao seu ápice

O livro foi escrito em 1938 e a adaptação do grande diretor trouxe a ação parara o período da guerra da independência da Argélia. Nesse novo quadro, mesmo que tudo fosse igual, ficava diferente. Mersault continuava matando o árabe com aqueles quatro disparos fatídicos, continuava julgado e condenado. A viúva de Camus, que tinha o direito de aprovação do roteiro, vetou. Nenhuma mudança, o livro tal qual. Visconti, preso a contrato, teve de se conformar e, e para complicar, Alain Delon, que ele queria no papel, não pôde fazer o filme. Foi substituído por Marcello Mastroianni, que Visconti não considerava adequado. Visconti dirigiu, mas disse, mais tarde, que às vezes não parecia estar ali. O estrangeiro, no set, era ele.

Em Rocco, Visconti atingira o auge do seu realismo crítico, mas, mesmo ali, o personagem com consciência de classe (Ciro) terminava por atraí-lo bem menos que o 'santo' Rocco (Delon), cuja bondade provocava tantos problemas. O Leopardo é suntuoso, mas o príncipe Salinas (Burt Lancaster) é ambíguo. Antecipa o mundo novo e o valida ao dançar com Angélica (Claudia Cardinale), mas é um homem do antigo regime. E em Vagas Estrelas da Ursa, Freud, o incesto, se superpõe aos postulados históricos de Marx. Mersault é estrangeiro na Argélia não porque sua origem seja europeia. É erstrangeiro no mundo, que vê da sua janela. Enterra a mãe sem emoção, e responde com evasivas às perguntas de Maria (Anna Karina). Ele a ama? Sim, não, talvez. Não importa.

Mersault mata o árabe por causa do sol, um sol metafórico, mas é condenado por não haver chorado no enterro da mãe. Sua dura confrontação final com o padre expõe um homem cuja indiferença o levou longe demais. Mersault não pertence mais à ordem social e não criou nada em troca. Um lumpen político e existencial. Visconti cria a mais brilhante e elaborada das mise-en-scènes. Amplos movimentos de câmera combinam-se com a zoom, disparada como tiros. A trilha de Piero Piccioni fornece os sons adequados para essa guerra interna, sob a aparência de indiferença. A maioria do elenco é de franceses, dublados para o italiano, mas o próprio Mastroianni também é dublado. É um filme que exige revisão. Visconti estava certo. Apesar de tudo, não é um de seus filmes menores. O tempo está aí, 50 anos depois, para prová-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.