Dale Robinette, Lionsgate
Dale Robinette, Lionsgate

O envelope do melhor filme online, por favor

A experiência de sucessos criados pelos serviços de streaming de vídeo

Glenn Kenny / NYT, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2017 | 14h43

Uma queixa comum a respeito dos Oscars critica a tendência da Academia de Cinema, Artes e Ciências de homenagear filmes que aparentemente ninguém viu. Em alguns casos, as pessoas referem-se a filmes prestigiosos que não são grandes sucessos de bilheteria.

Alguns meses atrás, estava ouvindo um podcast com dois dos mais pitorescos comentaristas do Oscar da Costa Oeste, e um deles, cheio de entusiasmo incluiu La La Land na categoria dos filmes que ninguém viu. Na época, embora grande favorito dos amantes do festival, ainda não havia sido distribuído. Os comentaristas do Oscar às vezes são gente muito boba.

Desde então, La La Land teve ampla divulgação - está sendo exibido em cerca de 2 mil cinemas, a metade do número com o qual as distribuições super amplas atingem o ápice da glória - e está tendo uma boa carreira, a ponto de se poder dizer que alguns o viram, e agora que chegou a 14 indicações, mais espectadores o verão.

Este ano, os serviços de streaming de vídeo começam a inovar em matéria de visualizações de filmes indicados ao Oscar, por uma razão muito simples. Estes mesmos serviços estão financiando, produzindo e distribuindo películas que com que esperam ganhar algum Oscar.

Manchester à beira-mar, distribuído pela Amazon Studios, obteve seis indicações, inclusive de melhor filme, enquanto ainda está sendo exibido nos cinemas (pouco mais de 500 até o momento em que escrevo este artigo), será oferecido como vídeo on demand em pelo menos um serviço de streaming - Amazon Video, evidentemente - nos próximos dias. (O filme estará disponível no FandangoNOW, o braço on demand pago do site, no dia 7 de fevereiro).No Amazon, será gratuito para os membros do Amazon Prime; outros terão de pagar uma taxa se quiserem alugá-lo ou comprá-lo.

Neste momento, um dos cinco indicados na categoria de melhor documentário, A 13ª emenda, de Ava Du Vernay, está na Netflix, a companhia que o produziu. Um dos melhores indicados para a categoria deste ano, O.J.: Made in America, na realidade, foi ao ar como uma minissérie para a televisão depois de uma breve carreira nos cinemas, e está disponível on demand desde que foi exibido pela primeira vez na ESPN.

Indubitavelmente são poucos os filmes indicados para o Oscar, mas mesmo assim são notícia e admito que esta porcentagem aumentará nos próximos anos. Outro filme produzido pela Amazon, a hilariante adaptação de Amor & Amizade, de Jane Austen, dirigida por Whit Stillman, pouco cotada esperava uma indicação para roteiro; não conseguiu, mas há alguns meses é exibida pelo serviço. A Amazon Studios tem uma sétima indicação ao Oscar, na categoria de melhor filme em língua estrangeira: O apartamento, do diretor iraniano Asghar Farhadi. A companhia é coproprietária dos direitos do filme americano. (É possível que, agora, a película esteja chamando a atenção por causa da proibição do presidente Donald Trump de permitir o ingresso de cidadãos procedentes do Irã, assim como os de outros países.)

Quanto aos outros indicados para a categoria de melhor filme além de Manchester, somente o suspense A qualquer custo (que também conseguiu uma indicação de melhor ator coadjuvante para Jeff Bridges e de roteiro original para Taylor Sheridan) pode ser visto no YouTube, Amazon Video, iTunes, Vudu e Google Play a preços que variam de US$ 2,99 a US$ 14,99, dependendo da opção aluguel ou compra que o espectador escolher. A volta de Viggo Mortensen como melhor ator no filme dramático Capitão Fantástico, também pode ser apreciada nestes serviços. Assim como um dos mais peculiares indicados para filme de animação, Kubo e as cordas mágicas.

Meryl Streep que interpreta o papel título da biografia tragicômica Florence, quem é esta mulher?, pode ser vista pelos mesmos serviços, menos o Amazon. Outra indicada para melhor atriz, Ruth Negga, foi finalmente reconhecida por sua atuação no drama Loving, sobre os direitos humanos; o filme pode ser visto mediante o pagamento de uma taxa no Vudu, Amazon e iTunes. Michael Shannon foi considerado uma surpresa na categoria de melhor ator coadjuvante com Animais Noturnos; o filme não é visto no streaming, mas estreará on demand no dia 7 de fevereiro, no mesmo dia do lançamento do pacote Blu-ray e DVD, que inclui acesso ao download digital.

Finalmente, uma advertência: cuidado com os fornecedores de conteúdo pirateado que se aproveitam dos serviços legítimos como Vimeo. Por exemplo, nas minhas buscas encontrei resultados que dizem que o filme de animação Trolls (sim, tem uma indicação ao Oscar para a melhor canção: Can’t stop the Feeling!, de Justin Timberlake) e Animais Noturnos estavam sendo vistos em streaming no site já mencionado. Mas agora não mais. (Animais foi retirado.) Quando inicia o streaming, aparece imediatamente o logo do studio, e você é solicitado a cadastrar-se e logar com um serviço separado. Eu não quis, e aconselho vocês a fazerem o mesmo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.