O engraçado 'Soul Kitchen' é um dos favoritos ao Leão de Ouro

Comédia do turco-alemão Fatih Akin esbanja estilo na saga do dono de um restaurante para recuperar negócio

Flávia Guerra, de O Estado de S. Paulo,

10 de setembro de 2009 | 15h34

VENEZA -  Depois de uma semana que começou com muita discussão política, uma quinta-feira, 10, para dar merecidas risadas em Veneza. A política se deve sobretudo à passagem de Hugo Chávez por conta de South of the Border, de Oliver Stone, do sempre show man Michael Moore e das discussões de Michele Placido com a imprensa por conta de um diretor de esquerda ter um filme - O Grande Sonho - produzido pela Medusa, empresa de Berlusconi).

 

Já as risadas se devem ao talento do diretor turco-alemão Fatih Akin. O sempre forte, mas desta vez hilário, olhar do diretor sobre a vida nas grandes cidades modernas já é sua marca garantida. Mas hoje ele trouxe novo frescor com a comédia Soul Kitchen. Algo como 'cozinha da alma' ou 'para a alma', o titulo já adianta para a plateia o que vem pela frente. Uma comédia inteligente, estilosa, sensível e forte ao mesmo tempo. Em conversa com a imprensa na tarde de hoje, Akin contou que não planejava fazer uma comédia mas que, depois da morte de um amigo querido, que o fez passar meses 'se recuperando' do baque, resolveu explorar o lado engraçado da vida. "Este meu amigo querido sempre me dizia isso. Que a morte faz parte da vida. E a vida, o riso, também fazem parte da vida. Por isso eu quis explorar o humor neste novo filme. Prefiro errar por tentar fazer algo diferente a me tornar um daqueles diretores que sempre fazem o mesmo tipo de filme", declarou Akin, que já é apontado como um dos favoritos ao Leão de Ouro, a ser entregue no Sábado.

 

Com prêmio ou não, o fato é que Akin deixa, pelo menos por ora, a linha de filmes de peso, como Contra a Parede e Do Outro Lado, para rir da vida. E o faz bem. Inspirado no restaurante que um de seus melhores amigos tinha em Hamburgo, cidade onde se passa a história, Soul Kitchen conta a saga de Zinos, dono de um restaurante 'modernoso' na cidade. O negócio está prestes a falir e Zinos à beira de um ataque de nervos. Sua namorada o deixou para viver em Shangai, o Fisco o ameaça, a vigilância sanitária exige reformas urgentes na cozinha, o novo cozinheiro literalmente espanta a clientela com seu novo cardápio, seu irmão, e braço direito, é um presidiário que tem de voltar para a cadeia todas as noites e não pode gerir o Soul Kitchen para que Zinos vá visitar a namorada em Shangai... Enfim, um complicado, mas divertidíssimo imbróglio que há tempos não se via.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.