O divertido bastidor de ‘Yellow Submarine’, com Bob Balser

Diretor do clássico dos Beatles fala nesta quarta-feira, 6, no Anima Mundi, em São Paulo

Flavia Guerra, O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2014 | 02h00

RIO - “Não sei citar os animadores que mais gosto de assistir hoje em dia, mas, quando vejo os desenhos que o diretor de O Menino e o Mundo fez, é disso que gosto. É este traço que só a mão do animador é capaz de fazer que me interessa.” Assim o diretor Bob Balser responde ao Estado após ser indagado se, aos 87 anos, ainda gosta de ver trabalhos de novos animadores. A conversa aconteceu na quinta passada, no Rio, antes de o animador americano ministrar o concorrido Papo Animado, bate-papo e masterclass que convidados do Festival Anima Mundi ministram todos os anos. 

O papo, que lá mobilizou os fãs e também os animadores profissionais até tarde da noite, ocorre em São Paulo nesta quarta-feira, 6, às 20 horas, no Espaço Itaú Augusta. Antes, às 18 horas, a obra que tornou Balser uma autoridade mundial da animação tem sessão especial: Yellow Submarine, o clássico que levou para as telas as cores psicodélicas das canções dos Beatles em 1968. 

Antes de falar mais do longa e do processo de criação de sequências que entraram para a história, Balser, um dos diretores de animação do longa, concluiu seu pensamento sobre O Menino e o Mundo, que tem direção do brasileiro Alê Abreu. Com o longa, ele venceu este ano o mais importante festival de animação do mundo, o Festival de Annecy, na França. Além do prêmio, Abreu ganhou notoriedade internacional e entrou para a fila dos favoritos a uma vaga entre os finalistas ao Oscar de melhor animação. “Eu, que sou membro votante da Academia e vejo tantos filmes todos os anos, posso dizer que ele tem toda chance”, disse o animador. 

Mais tarde, diante de um público jovem, disparou: “Sei que as técnicas digitais estão dominando o mercado hoje, que o processo fica mais prático e mais rápido, mas, a meu ver, animação digital, de computador, não tem alma.” 

O silêncio que se fez na plateia foi tão eloquente quanto a atenção que se seguiu à declaração, à medida que Balser começou a exibir trechos de Yellow Submarine e a contar detalhes divertidos dos bastidores da feitura do longa. 

“A primeira dica que eu daria a vocês, jovens, é que, quando forem fazer um filme, não façam como nós fizemos. Tenha um roteiro pronto e bem feito. Nós tínhamos dezenas de bons profissionais, desenhistas incríveis, muito material bom sendo feito, mas não tínhamos uma história fechada. Isso em um determinado ponto do filme foi motivo de tensão”, contou ele, que, entre outros trabalhos, também dirigiu a série The Jackson Five, entre 1971 e 1972; e foi supervisor de diversos episódios de The Charlie Brown and Snoopy Show, em 1985. 

Trechos destes trabalhos também serão exibidos no papo de hoje, além das animações para o mercado publicitário espanhol que precederam Yellow Submarine. Foi, aliás, o bom trabalho de Balser na Espanha que despertou o interesse dos produtores ingleses do longa-metragem que mudou sua carreira. “O estúdio TVC me chamou para ir a Londres mostrar meu trabalho. E assim tudo começou”, disse ele ao Estado. “Tínhamos pouco tempo, orçamento enxuto, muitos talentos e vários roteiros, mas nenhum incrível. Mas tínhamos como certo de que seria uma viagem dos Beatles em um submarino amarelo. Poderíamos usar as canções e, assim, começamos a animá-las imediatamente.” 

Balser também contou que, quando já havia uma grande quantidade de cenas animadas, mas que ainda precisavam ser roteirizadas, ele e o codiretor de animação Jack Stokes passaram uma noite em claro criando uma linha narrativa para elas. “Acredita que, quando o filme ficou pronto, eu não gostei? Via muitos defeitos. Somente tempos depois fui aprendendo a gostar e me orgulhar”, revelou. 

ANIMA MUNDI

Espaço Itaú Augusta. Rua Augusta, 1.475, tel. 3288-6780. De 4ª a dom., R$ 10.

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaAnimamuniBob Balser

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.