'O Diário de uma Babá' satiriza ricos de Nova York

Filme é baseado em 'Diários de Nanny' de Emma McLaughlin e Nicola Kraus, que foram babás quando estudantes

Alysson Oliveira, da Reuters,

08 de janeiro de 2010 | 11h08

O Diário de uma Babá, que estréia no país nesta sexta-feira, 11, em cópias dubladas e legendadas, tem algo em comum com O Diabo Veste Prada. Não apenas porque os dois são adaptados de livros de sucesso, mas especialmente no tema que partilham: o olhar de uma classe inferior sobre a mais rica. Neste caso, o foco está na alta classe de Manhattan, com suas mamães desocupadas e sem tempo para os filhos.       Veja também: Trailer de 'O Diário de uma Babá'  O romance Diários de Nanny foi escrito por Emma McLaughlin e Nicola Kraus, que trabalharam como babás enquanto estudavam na Universidade de Nova York. Suas experiências serviram como base para esse livro, que tem um certo tom de desabafo - mais do que de crítica social. Annie (Scarlett Johansson, de Encontros e Desencontros) acaba de se formar e pretende ser antropóloga. Porém, passeando pelo parque, uma ricaça a toma por uma babá e a convida para fazer uma entrevista para cuidar de seu filho. A moça acaba aprovada para a posição e decide transformar seu trabalho num estudo antropológico. Para isso, ela passa chamar a patroa de Sra X (Laura Linney, de Sobre Meninos e Lobos), e o marido de Sr X (Paul Giamatti, de O Ilusionista). Os X se tornam um estudo de caso para Annie, cujo nome não é compreendido pela patroa, que pensa que ela se chama "Nanny" (babá, em inglês). O Sr X, por sua vez, mal repara na existência da garota dentro de sua casa. O único laço de amizade é mesmo com o pequeno Grayer (Nicholas Reese Art, de Syriana). A protagonista vai se apaixonar por um vizinho, a quem chamará apenas de bonitão de Harvard (Chris Evans, de O Quarteto Fantástico), um indício para um final feliz. Já Laura Linney consegue imprimir um pouco de humanismo em sua personagem detestável, em princípio, roubando o filme para si em várias cenas. A adaptação para o cinema não foge muito daquilo que está no livro - frustrando um pouco os que esperavam mais dos roteiristas e diretores, o casal Robert Pulcini e Shari Springer Berman, responsáveis por "O Anti-Herói Americano". As primeiras cenas, aliás, parecem mostrar que os cineastas tinham outra coisa em mente quando começaram a fazer o filme - mas acabaram se rendendo a soluções mais convencionais. Algumas modificações do livro apenas servem para tornar o filme mais implausível. No original, a personagem tem uma vasta experiência como babá. Aqui, ela consegue o emprego sem qualquer conhecimento prévio - como se uma mulher rica de Manhattan fosse contratar uma babá sem sequer pedir suas referências.

Tudo o que sabemos sobre:
O Diário de uma Babáestréias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.