''O Ano' tem um apelo universal', diz diretor Cao Hamburguer

'O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias' pode ser indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro na terça, 22

Entrevista com

Fernanda Ezabella, REUTERS

08 de janeiro de 2021 | 11h20

O cineasta paulistano Cao Hamburguer diz que está tranquilo, com uma sensação de missão cumprida. Afinal, desde fevereiro ele trabalha na divulgação internacional de seu segundo longa, O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, finalista para concorrer ao Oscar de filme estrangeiro.   Veja também: Trailer de 'O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias'  Brasil é um dos 9 finalistas ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro "A recepção tem sido muito boa, a gente sente que o filme tem um apelo universal, que a história de uma certa forma toca as pessoas no mundo todo", disse Hamburguer à Reuters por telefone. O longa se passa no bairro paulistano do Bom Retiro, em 1970, quando um menino de 12 anos aguarda a volta de seus pais, que fugiram da ditadura militar, enquanto assiste pela TV aos jogos da Copa do Mundo. O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias foi escolhido por uma comissão do Ministério da Cultura para disputar o prêmio na cerimônia mais importante do cinema dos Estados Unidos, cujos indicados serão anunciados na manhã de terça-feira, 22. O longa está entre os nove finalistas e irá concorrer com produções da Áustria, Canadá, Israel, Itália, Cazaquistão, Polônia, Rússia e Sérvia. "É muito difícil estar entre os cinco, e estar entre os nove já é uma grande vitória", disse o diretor, cujo primeiro longa-metragem foi Castelo Rá-Tim-Bum - O Filme. "Mas seria bom para o cinema brasileiro e da América Latina ter um representante no Oscar", disse. O filme começou sua trajetória internacional no Festival de Cinema de Berlim e, desde então, passou por incontáveis festivais. O longa, que custou 5,2 milhões de reais, já foi vendido para 30 países. Hamburguer trabalha em três novos projetos, incluindo a segunda temporada da série Filhos do Carnaval, para a HBO. Os outros dois são longas-metragens - Xingu, sobre a fundação do parque indígena, e UTI, um thriller sobre a morte. Xingu, com produção de Fernando Meirelles e da produtora O2, deve ser rodado no final do ano. Na sequência vem UTI, que contará com parceria da Buena Vista International.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.