O 28.º Festival de Cinema de Havana dá a largada

Começa nesta terça em Havana o Festival Internacional del NuevoCine Latinoamericano. Até o dia 15, a capital cubana será a maisimportante vitrine mundial do cinema da América Latina, comfilmes e homenagens para ninguém botar defeito. O país enfrentadificuldades decorrentes do bloqueio econômico e ideológico, masem dezembro tudo fica em segundo plano. Os cubanos adoram cinemae lotam as salas que exibem a vanguarda da produção latina doano. Um filme já em cartaz em São Paulo - O Labirinto doFauno, de Guillermo Del Toro - inicia a programação desta terça, quedeve exibir 463 títulos nas próximas duas semanas. O Festival de Havana oferece a singularidade de dividirsua competição (e premiação) em categorias - longas de ficção edocumentários, curtas, animações, etc. O Brasil teráparticipação destacada nesta 28.ª edição. Cinco filmes nacionaisintegram a mostra competitiva de ficção e um jornalistabrasileiro - Luiz Zanin Oricchio, do Estado - integra o júrioficial das obras de ficção. Veterano freqüentador da mostra deLa Habana, Zanin conta que se formam filas imensas para ver osfilmes nos cines Yara e Payret, que datam dos anos 50 e possuemem média 2 mil lugares, cada um. O público dessas salaspopulares se revela invariavelmente participativo. "Torce paraos heróis e vaia os vilões", ele diz.Brasil e Argentina dividem liderança na competição Brasil e Argentina dividem a liderança numérica dosfilmes da competição, cada um com cinco filmes. Os brasileirossão - Antônia, de Tata Amaral; É Proibido Proibir, de JorgeDurán; O Céu de Suely, de Karim Aïnouz; O Maior Amor doMundo, de Cacá Diegues; e Os 12 Trabalhos, de Ricardo Elias.Os argentinos - Crônica de Una Fuga, de Israel Adrian Caetano;El Camino de San Diego, de Carlos Sorín; El Custódio, deRodrigo Moreno, em cartaz no Brasil como O Guardião; Nascido yCriado, de Pablo Trapero; e Derecho de Familia, de Daniel Burman. Nestes quase 30 anos, diversos filmes brasileirosvenceram o Festival de Havana - Coronel Delmiro Gouveia,Gaijin, Eles não Usam Black-Tie, Eu Tu Eles, Cidade de Deus. O grande ano do Brasil em La Habana foi 1984, quandoMemórias do Cárcere, de Nelson Pereira dos Santos, ganhou comomelhor ficção, e Cabra Marcado para Morrer foi o melhorDocumentário. Luiz Zanin avalia que a experiência poderá serenriquecedora. "Vai permitir uma estimulante comparação entre anossa maneira de avaliar um filme e a das pessoas de outrospaíses. Esse diálogo crítico em torno de filmes e das questõesestéticas do cinema em geral costuma ser muito interessante." Zanin, que já foi jurado internacional em Sochi, na Rússia,lembra como foi prazerosa a convivência com o sueco Bo Widerberg que também integrava aquele júri.Cines do Mundo atualiza os cubanos Uma importante seção intitulada Cines del Mundo atualizaos cubanos com obras importantes de diferentes cinematografias.A italiana será representada por Nuovomondo, de Emanuel Crialese e A Estrela Perdida, de Gianni Amelio, que integram aprogramação Veneza Cinema Italiano 2, em exibição em São Paulo,no Centro Cultural São Paulo, mais Il Direttore di Matrimonio,de Marco Bellocchio. Da Alemanha, virá A Estrela Solitária, deWim Wenders. O autor alemão que compartilhou com Walter Salles amagnífica master class do recente Festival de Tessalônica,quando ambos falaram de ?road movie? (os filmes de estrada), temum carinho todo especial por Cuba (e os cubanos retribuem).Basta lembrar de Buena Vista Social Club, o documentário que(re)lançou em todo o mundo os maiores nomes da música cubana.Além de mostrar seu novo longa de ficção, Wenders volta à músicacubana, produzindo The Sons of Cuba, que foi lançado em DVD noBrasil. Os novos ritmos dos Filhos de Cuba incluem o hip-hop - e os cubanos com certeza vão amar a musicalidade de Antônia,de Tata Amaral -, com destaque para o grupo Interactivo, quecanta, em espanhol e inglês, o que não deixa de ser o hino dajuventude cubana. A despeito das dificuldades, os versos dizem -"Com dinheiro ou sem dinheiro/ Faço sempre o que quero/ Vivoassim sem desespero." Poderia ser a trilha do próprio Festivalde Havana, que resiste como vitrine do novo cine latino. Interessados em obter mais informações podem consultar o próprio site do festival: www.habanafilmfestival.com

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.