Reuters
Reuters

Número de diretoras em Hollywood caiu quase pela metade desde 1998

Pesquisa divulgada recentemente revelou que há poucas mulheres trabalhando na indústria cinematográfica

estadão.com.br,

25 de janeiro de 2012 | 15h14

SÃO PAULO - O número de diretoras cinematográficas trabalhando em Hollywood caiu praticamente pela metade desde 1998, apontou um estudo recente realizado conduzida pela Doutora Martha Lauzen, do Centro para o Estudo de Mulheres em Televisão e Filmes. De acordo com a pesquisa, apenas 5% dos 250 filmes de maior sucesso de 2011 foram dirigidos por mulheres. Em 1998 o número era de 9%.

 

O porcentual de diretoras diminuiu em dois pontos desde 2010 e quase 50 desde 1998 e encabeçaram uma tendência baixa em outros setores da cinematografia. De acordo com a agência Reuters, a indústria de Hollywood tem apenas 14% de roteiristas, 18% de produtoras executivas, 25% de produtoras e 4% de cinegrafistas, totalizando 18% de profissionais do sexo feminino na indústria cinematográfica. Apenas em roteiro e produção o número de mulheres aumentou.

 

Até hoje, o prêmio Oscar de direção foi entregue somente uma vez a uma mulher, Kathryn Bigelow, de Guerra ao Terror, em 2010, que trabalha atualmente em um filme sobre a busca por Osama Bin Laden.

 

Martha Lauzen explicou que "Enquanto a vitória de Bigelow foi muito merecida e impulsionou sua carreira, parece improvável que esse problema complexo pelo viés do emprego e representação das mulheres seja facilmente resolvido"."Temos uma enorme lacuna entre quem está produzindo nossa cultura e a cultura em geral", acrescentou, dizendo ainda que não crê que a sociedade veja a falta de representatividade das mulheres como um problema.

 

A pesquisa não aponta quais seriam as possíveis motivações para o resultado das estatísticas.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaKathryn BigelowOscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.