Novo "Star Wars" não agrada fãs

A estréia americana de Episódio II - o Ataque dos Clones, da série Star Wars, será na quinta-feira, dia 16. Mas já houve muitas sessões especiais e a imprensa já fez sua reunião com atores e produtores do filme. A première de gala é hoje à noite, em Hollywood. As reações dos fãs não têm sido das melhores e os sites especializados em antecipar estréias têm espalhado mais adjetivos do que há estrelas no céu do planeta Tatooine. Episódio II bebe na melhor fonte da série, O Império Contra-Ataca (geralmente considerado o melhor dos capitulos de Star Wars), com seu clima e temas sombrios. Mas George Lucas, o diretor, não está nem aí. Diz que quer contar a história que deseja, não satisfazer aos fãs. Aí, mostra Anakin como um homem, não como um garoto, reduz as três cenas de Jar Jar Binks a menos de quatro minutos e deixa a falada participação do grupo ´N Sync em algum lugar ao sul da nebulosa de Andrômeda. No que diz respeito a dinheiro, Episódio II vai ficar atrás de Homem-Aranha na estréia, pois está programado para ser lançado em menos cinemas. Só se o filme conseguir se manter nos primeiros lugares durante todo o verão americano é que Lucas não perderá sua coroa de campeão das bilheterias. Os postos de venda antecipada de ingressos estão otimistas, mas os sites da Internet não calam. Um deles é o Coming Attractions, cujo crítico, Patrick Sauriol, disse ao jornal USA Today: "Pensei que seria um filme melhor do que Episódio I, mas ele tem problemas graves." Coleciona opiniões de gente que viu sessões prévias e diz que as reações positivas são apenas levemente mais freqüentes que as negativas. "Acho que não vai render tanto quanto o último". Episódio I - a Ameaça Fantasma arrecadou US$ 431 milhões. Outro site especializado, o JoBlo´s Movie Emporium, registra uma visão contrária. Berge Garabedian, do site, afirma: "A repercussão que tivemos mostra que desta vez George Lucas acertou em cheio." Mas concede que os fãs estão "um pouco chateados" com "a pieguice do romance". "Este é focalizado em torno de uma história de amor, o que nunca tentamos", disse George Lucas. Os fãs da aventura realmente devem se incomodar com as interrupções melosas do romance da senadora Padmé Amidala com Anakin Skywalker, na trama que mostra Anakin descobrindo seus poderes Jedi, empolgando-se pelo lado escuro e se arrependendo. Quem acha que o ponto forte dos filmes é a luta entre bem e mal não vai se decepcionar, apesar das cenas de amor, dizem Lucas e os atores. Por exemplo, o popular personagem Yoda pega num sabre de luz pela primeira vez. E mostra que sabe o que fazer com ele. Também há mais cavaleiros Jedi em duelo do que em todos os outros filmes juntos. Lucas mudou de objetivo. Ele disse que o interesse fundamental que tinha nesse episódio de Star Wars era que fizesse bastante dinheiro a fim de financiar o próximo. Depois afimou que não se preocupava mais com isso, só com a linha da história. "Sei que as pessoas não iriam ficar entusiasmadas tendo um astro de 9 anos", declarou, referindo-se a Jake Lloyd, o jovem Anakin do Episódio I. "Mas quando se está contando a história toda, ele tem de começar como menino. E é preciso incluir a história de amor que originou Luke e Leia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.