Jason Lee/Reuters
Jason Lee/Reuters

'Novo Jumanji é realizado com amor e respeito pelo filme original', diz ator

Assim o astro Dwayne 'The Rock' Johnson define como foi atuar na sequência do longa de 1995, 'Bem-vindo à Selva'

Antonio Martín Guirado, EFE

05 Janeiro 2018 | 06h02

Dwayne "The Rock" Johnson é um dos atores mais bem pagos de Hollywood - o número 2, segundo a revista Forbes, atrás apenas de Mark Wahlberg. Johnson é o astro de Jumanji - Bem-vindo à Selva - que acaba de estrear no Brasil -, sequência que “encarou”, segundo disse à EFE, “com amor, respeito e veneração” pelo filme original.

+++ Nick Jonas vê emoções no novo 'Jumanji' e elogia apresentação ao lado de Anitta

“Havia um certo perigo em fazer esse filme até que Kevin Hart assinou o contrato”, disse The Rock entre risadas gerais, acompanhado pelo próprio Hart e por Jack Black numa entrevista em Oahu, Havaí, onde o filme foi rodado. 

+++ Sequência de 'Jumanji' terá Jack Black no elenco principal

“Falando sério, o que tornou o projeto atraente foi o roteiro, mas para mim a peça-chave foi o amor, o respeito, a veneração que sentimos pelo filme de Robin Williams”, afirmou o ex-campeão de luta livre referindo-se ao longa de 1996 dirigido por Joe Johnston. 

Jumanji - Bem-vindo à Selva, tem Jake Kasdan como diretor e um elenco liderado por Dwayne Johnson, Jack Black, Kevin Hart, Karen Gillan e Kevin Jonas. Na história, quatro adolescentes são “tragados” por um videogame e transportados para a perigosa selva de Jumanji, onde assumem novas personalidades e tomam a forma de avatares, numa luta para chegar ao fim do jogo e recuperar a aparência original. 

+++ Sequência de 'Jumanji', clássico dos anos 1990, ganha 1º trailer

“Ficamos encantados com a ideia de mostrar ao público algo que nunca havíamos feito: interpretar adolescentes”, lembrou Johnson. “Nós nos divertimos muito. Jack (Black) está incrível no papel de uma garota de 16 anos”, contou The Rock entre gargalhadas. “Você acha que exagerei em meu lado mulher?”, questionou Black, entrando na brincadeira. Na selva, ele adquire a personalidade da adolescente Bethany, obcecada por sua beleza.

Hart, um mito para o público afro-americano, prosseguiu no tom cômico. Afirmou que Johnson e Black respiraram aliviados quando souberam que ele estava na parada. “Dei-lhes segurança. Agora, é vencer a partida.”

Para Johnson, o desafio maior foi não destoar numa comédia em que contracena com dois mestres do gênero (já havia trabalhado com Hart em Central de Inteligência, de 2016). “Black e Hart têm um ritmo magnífico, perfeccionistas do humor. Mas são, antes de tudo, dois grandes atores e trabalhar com gente assim dá segurança total. Fiquei muito feliz em tê-los como parceiros”, declarou The Rock.

A história, segundo ele, mostra a importância de se estabelecer objetivos que a princípio parecem inatingíveis. “No futuro, espero fazer mais e melhor do mesmo. Não me contento com o que já fiz. Quero avançar, ser um ator mais importante”, disse Hart, casado com Eniko Parrish e pai de 3 crianças. “Quero deixar o caminho mais fácil para meus filhos.”

Black, casado com Tanya Haden e pai de dois, concordou: “Quando se tem filhos, tudo que se quer é deixar o mundo melhor para eles. Penso mais nisso do que em minha carreira”.

Johnson está casado com Lauren Hashian e espera o terceiro filho. “É preciso pensar nas crianças e ouvir essa voz interior que indica o caminho”, finalizou The Rock, que admitiu já ter pensado numa candidatura à Casa Branca./TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.