Novo "Harry Porter" é sombrio, cínico e melhor

As primeiras críticas do novo filme da série Harry Porter, Harry Porter e o Prisioneiro de Azkaban, apontam a obra como mais cínica, sombria e bem diferente do "estilo Disney" dos dois filmes anteriores. Por isso, para a maior parte dos críticos que se manifestou sobre o filme nos Estados Unidos, o filme é melhor. "Azkaban arrasa. É claro que há toda a mágica e os perigos comuns dos livros de Harry Porter. Mas o filme traz uma coisa mais assustadora do que o desando de porções mágicas ou o lorde Voldemort: fazer 13 anos", disse a revista semanal Newsweek. No filme, Harry e seus amigos estão adolescentes. Lado negro - A obra também ganhou um novo diretor, Alfonso Cuaron, que, como escreveu o The Mirror, "conseguiu mergulhar em um lado mais negro do mágico, mostrando-o mais cínico e confuso, tendo a idéia de que os maiores desafios estão dentro dele".Os críticos destacaram ainda o mundo ao redor de Porter e seus inseparáveis amigos, Ron (Rupert Grin, "fantástico" para o site Ain´t It Cool News especializado em cinema) e Hermione (Emma Watson, "a nova Grace Kelly", para a mesma publicação). Segundo o Mirror, trata-se de um mundo completamente brutal, gelado, onde quase nunca pára de chover, refletindo o estado de espírito de Porter."O mais terrível são os guardas fantasmas que se alimentam de medos ocultos e extraem toda a alegria de sua alma. O diretor conseguiu retratar este espírito da obra de JK Rowling", escreveu o Mirror.Para a Newsweek, o novo filme deve conseguir, além de milhões na bilheteria, uma outra proeza: tornar Harry Porter, ou Daniel Radcliffe, um símbolo sexual. "A performance dele neste filme é a melhor até agora", elogia a revista. O filme tem lançamento mundial no próximo dia 4.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.