Divulgação
Divulgação

Novo filme 'Gato Vira-lata 2' traz Cancún para o Rio de Janeiro

Comédia com Malvino Salvador agora está sob nova direção

O Estado de S. Paulo

06 Janeiro 2015 | 03h00

RIO - Mais de 1 milhão de espectadores viram Qualquer Gato Vira-lata em 2011. Três anos depois, no finalzinho de 2014, terminaram no Rio - e no México - as filmagens da sequência, que a distribuidora Paris promete estrear em junho próximo, no Dia dos Namorados. O elenco principal continua o mesmo - Tati e Conrado, interpretados por Cléo Pires e Malvino Salvador. O ex dela, Marcelo/Dudu Azevedo. E a ex-dele, Ângela/Rita Guedes. Houve uma mudança importante - sai o diretor Thomas Portella, entra Roberto Santucci. É o homem responsável pela onda de humor que assolou o cinema brasileiro e arrebentou as bilheterias nos últimos anos. Ingrid Guimarães e Leandro Hassum viraram os novos preferidos do público nos filmes de Santucci. 

Justamente nesta quinta, dia 8, estreia Loucas para Casar, que ele dirigiu para Ingrid (e Tata Werneck e Suzana Pires). Santucci está feliz da vida com a nova parceria. Quando Loucas lhe veio às mãos, ele convocou o roteirista Marcelo Saback. Propôs-lhe que pirasse, assumindo o ponto de vista feminino. “O filme ficou bem bacana”, garante. No caso de Qualquer Gato Vira-lata 2, Santucci era o corpo estranho numa equipe já afinada desde o primeiro filme. Ele quis imprimir sua marca, mas também ouviu o que o elenco tinha a dizer.

Neste dia, as filmagens ocorrem no câmpus da Universidade Estadual do Rio, no auditório do oitavo andar. O dia é normal para os estudantes, que se movimentam pelo saguão. Por todo prédio existem cartazes pedindo a reintegração de estudantes que participaram de protestos na universidade. Um elevador foi destacado para servir à produção. Faz um calor do cão, tipicamente carioca, lá fora. Solaço, temperatura de 40 graus. Você entra no auditório e a temperatura cai. Vira o Polo Norte. Mais estranho que tudo, dentro do auditório, a ação supostamente está se passando em... Cancún. Sim, no México.


Na trama de Gato Vira-lata 2, Tati acompanha Conrado num seminário no México, onde ele deve fazer o lançamento do novo livro sobre casais modernos, Qualquier Gato Callerjero Tiene Una Vida Sexual Más Saludable Que la Nuestra. Aproveitando o clima romântico (e festivo), Tati, num arroubo, pede Conrado em casamento. Também num arroubo, sem pensar, ele pede um tempo para decidir. Imediatamente, rui o clima de felicidade. Marcelo, que nunca desistiu da ex, está por perto e sente suas esperanças se renovarem. E, para complicar, Ângela participa do mesmo seminário, lançando o próprio livro - Qualquier Tapir Entendie Más las Mujares Que los Hombres. Em bom português - Qualquer Anta Entende Mais as Mulheres Que os Homens. O que deveria ser um debate de alto nível vira bate-boca e lavagem de roupa suja entre casais.

É a cena filmada nesse dia. Santucci acompanha pelo visor, montado na extremidade do salão. A cena é potencialmente engraçada. Conrado cobra alguma coisa da ex-mulher, ela reclama que ele está misturando as coisas. Conrado insiste que não. Tudo pertence ao domínio das ideias, que estão discutindo. Da plateia, no meio do público, levanta-se Marcelo, que interpela Conrado sobre a ex. Também no público, o roteirista Marcelo Saback, improvisado em figurante de luxo, pergunta que ex. A de Marcelo ou a de Conrado? E que história é essa de todo mundo trair todo mundo? Cria-se o maior impasse, temperado pelas observações picantes de Saback em portunhol.

Santucci conta - “O Malvino (Salvador) queria mostrar mais da história do casal. Trabalho aqui com Paulo Cursino, que é ótimo escrevendo na embocadura dos atores. A gente sabia que estava entrando no filme deles. Fizemos uma leitura com o Malvino, a Cléo e o Dudu para saber o que era mais importante trazer do outro filme.” Cléo, neste dia, não está filmando, mas pelas fotos de produção você pode ter certeza de que continua linda. Rita Guedes é a presença feminina. “No primeiro filme ela só entrava para causar confusão. Agora, vamos saber mais de suas ideias”, diz o diretor. Dois dias depois da suposta filmagem em Cancún, a equipe seguiu para o México, para filmar lá. Aguarde pelo resultado daqui a seis meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.