Suzanne DeChillo/The New York Times
Suzanne DeChillo/The New York Times

Novo filme de Woody Allen abrirá o Festival de San Sebastián em setembro

Estreia de 'Rifkin’s Festival' terá um grande valor para o cineasta, que viu sua carreira interrompida nos últimos anos em consequência do movimento #MeToo

Redação, AFP

25 de junho de 2020 | 10h09

O novo filme de Woody Allen, Rifkin’s Festival, vai abrir em 18 de setembro o Festival Internacional de Cinema de San Sebastián, anunciaram os organizadores do evento.

O longa-metragem, produzido pela espanhola Mediapro Studio, além da Gravier Productions e Wildside, foi rodado no verão de 2019 em San Sebastián e outras localidades próximas.

O filme mostra um casal americano que comparece ao Festival de San Sebastián e se apaixona pela cidade. 

Escrito e dirigido por Woody Allen, "Rifkin’s Festival" tem no elenco os espanhóis Elena Anaya e Sergi López, o francês Louis Garrel, a americana Gina Gershon e o austríaco Christoph Waltz.

O filme será exibido fora da mostra competitiva do festival, que acontecerá de 18 a 26 de setembro.

Apesar dos temores provocados pelo coronavírus, a organização do evento segue adiante com os preparativos.

Esta será a segunda vez que Allen será responsável por inaugurar o Festival de San Sebastián, depois de exibir na abertura da edição de 2004 o longa-metragem Melinda e Melinda. Naquele ano, ele recebeu o prêmio Donostia em reconhecimento por sua carreira.

A estreia terá um grande valor para o cineasta, que após décadas lançando um filme por ano, viu sua carreira interrompida nos últimos anos em consequência do movimento #MeToo.

O diretor de 84 anos perdeu prestígio nos Estados Unidos pelas acusações renovadas de sua filha adotiva, Dylan Farrow, que afirma que Woody Allen abusou sexualmente dela em 1992, quando tinha 7 anos.

O diretor sempre negou a acusação. Ele não foi indiciado ou julgado em nenhum momento.

Apesar disso, o dano a sua reputação fez com que seu filme anterior, Um Dia de Chuva em Nova York, não fosse exibido nos Estados Unidos. O longa-metragem foi lançado em vários países europeus, assim como na Argentina e Brasil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.