WARNER BROS
Injustiça. ‘O Caso Richard Jewell’ estreia no País WARNER BROS

Novo filme de Clint Eastwood resgata história do atentado a bomba na Olimpíada de Atlanta

'O Caso Richard Jewell' se encaixa na sua leva de obras sobre heróis comuns e muitas vezes incompreendidos

Mariane Morisawa ESPECIAL PARA O ESTADO LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2020 | 06h51

Prestes a completar 90 anos de idade, em maio, Clint Eastwood continua lançando em média uma produção a cada 12 meses. A mais recente, com estreia no dia 2, é O Caso Richard Jewell, que se encaixa na sua leva de obras sobre heróis comuns e muitas vezes incompreendidos – seja o Chris Kyle de Sniper Americano ou o piloto Chesley Sullenberger em Sully

Richard Jewell, vivido no filme por Paul Walter Hauser, foi o segurança tornado herói depois de encontrar a bomba plantada durante a Olimpíada de Atlanta, que matou duas pessoas e feriu 111 – se não fosse seu alerta, as vítimas teriam sido ainda mais numerosas. Mas, poucos dias após o atentado, foi acusado de ser o terrorista e teve sua vida destruída. “Eu perguntei a Clint Eastwood por que ele quis fazer este filme agora”, disse ao Estado a atriz Kathy Bates, que faz Bobi, a mãe de Richard Jewell. “E sua resposta foi que era um filme que gostaria de ver e que se tratava de uma tragédia americana.” 

Eastwood é respeitadíssimo na indústria e vencedor de quatro Oscars, mas vez ou outra se envolve em polêmicas, seja por suas posições políticas conservadoras pessoais ou até mesmo pela temática de seus filmes – muita gente discorda que Chris Kyle tenha sido um herói, por exemplo. Em O Caso Richard Jewell, as reclamações vêm do retrato da repórter Kathy Scruggs, do Atlanta Journal-Constitution, responsável pela revelação de que Jewell tinha passado de herói a principal suspeito na investigação do FBI. No filme, Scruggs, que morreu em 2001 e é interpretada por Olivia Wilde, parece trocar por sexo a informação do agente do FBI Tom Shaw (Jon Hamm), um personagem fictício, amálgama de diversos investigadores do caso. O Atlanta Journal-Constitution protestou, mas Olivia Wilde, filha de jornalistas, declarou que jamais quis sugerir que Scruggs trocou a dica por uma relação sexual. Para ela, a repórter tinha um relacionamento prévio com sua fonte. 

Em 1996, o ciclo de notícias de 24 horas, representado então pela CNN, estava começando a ganhar força. A Fox News seria fundada naquele ano. Na época do atentado, a CNN, cuja sede é em Atlanta, pegou a história publicada pelo Atlanta Journal-Constitution e a amplificou para o país e o mundo. Jewell foi de herói a vilão em questão de dias, apenas porque se encaixava no perfil do homem branco e frustrado – ele ainda morava com a mãe e tentou sem sucesso fazer parte da polícia. 

“Os advogados envolvidos ficaram muito chocados com a velocidade”, contou Kathy Bates – no filme, Jewell é defendido apenas pelo excêntrico Watson Bryant (Sam Rockwell). As coisas cresceram exponencialmente desde 1996, com o ciclo cada vez mais veloz, num sistema formado pelos canais de notícias 24 horas, a internet e as redes sociais. “Quanto tempo leva para um boato acabar com a carreira de um senador ou de outra pessoa?”, perguntou Jon Hamm. “E esse constante estado de ‘te peguei!’ acaba prejudicando o debate, porque todo o mundo fica aterrorizado de dizer algo que seja tirado do contexto, inclusive em situações como esta entrevista”, completou. Indagado se tem medo de ser cancelado, ele respondeu: “Quem não tem? Parece ser tão arbitrário hoje em dia!”. 

Hamm também apontou para o perigo do uso da expressão fake news. “Tudo pode ser chamado de ‘fake’, mesmo quando não é. Então estamos nesse mundo invertido, em que ninguém acredita em nada, e cada um tem suas crenças de acordo com o lado em que está e não ouve o outro”, afirmou o ator. “Mas eu acho que essa história tem apelo para ambos os lados, porque é sobre uma pessoa que foi colocada erroneamente numa lista.” 

Por conta desse erro, o verdadeiro culpado, Eric Rudolph, cometeu outros três atentados terroristas. “Eu não entendo a cabeça de alguém que faz isso. Qual o sentido?”, questionou Hamm. “O filme faz um belo trabalho em mostrar a celebração, a excelência e o esporte e, do outro lado, alguém tão ferrado da cabeça que coloca uma bomba lá.” 

Depois da onda dos atentados dos anos 1990, que incluíram o primeiro do World Trade Center e o do Federal Building em Oklahoma, houve o 11 de Setembro. “Viver com medo é uma droga. É tão melhor viver sua vida em maravilhamento. Então esse talvez seja o grande aprendizado do filme: vamos ser mais como Richard Jewell, vamos melhorar”, disse o ator.

A esperança de Paul Walter Hauser, que roubou a cena num pequeno papel em Eu, Tonya e faz agora seu primeiro personagem principal, é que o filme tenha impacto. “Eu acredito que histórias podem corrigir erros, influenciar a cultura e mudar corações e mentes”, disse. Kathy Bates contou que repensou muito o propósito de sua carreira ao longo do tempo. “E não quero soar muito Pollyana, mas o que me faz continuar é ajudar a criar a empatia de que todos precisamos.” A atriz teve uma prova de que vale a pena quando se encontrou com Bobi Jewell – seu filho Richard morreu em 2007, aos 44 anos. “Ela é uma mulher cheia de opinião, mas ficou com os olhos marejados quando conversamos. A dor da injustiça ainda está muito viva mesmo depois desses anos todos. Foi bom vê-la andando no tapete vermelho na pré-estreia ao lado de Clint Eastwood.” Uma placa em homenagem a Richard Jewell vai ser inaugurada no local da explosão, o Centennial Park. É um passo adiante na recuperação da imagem de Jewell, ainda visto por muitos como o culpado. 

Daí a importância de cineastas como Clint Eastwood. “Ele faz um cinema clássico, e não sei se esse tipo de longa vai estar sendo feito daqui 10 anos”, afirmou Sam Rockwell. Hamm emendou: “Especialmente num esquema de estúdio, com lançamento nos cinemas. Quase ninguém tem esse cacife ou a coragem, para ser mais preciso.” Mesmo com ressalvas, seus filmes são necessários. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Em 'O caso Richard Jewel', Clint Eastwood destaca o 'lado escuro da Força'

No caso de Jewell, são duas as forças que se voltam contra ele – e exatamente no momento de sua maior glória: o FBI e a imprensa sensacionalista

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2020 | 07h00

Não existem heróis menores para Clint Eastwood. Aliás, os “menores” é que são os verdadeiros heróis. Gente comum, banal, que não valeria uma linha na imprensa, mas que, em determinado momento de sua vida, pratica um ato de coragem e altruísmo que o tira do anonimato. Assim foi com Richard Jewell, típico loser americano.

Fracassado, meio bobo, acima do peso, homem feito morando com a mãe (Kathy Bates), Jewell (Paul Walter Hauser), trabalhando como segurança num parque, salva a vida de inúmeras pessoas num atentado a bomba durante a Olimpíada de Atlanta, em 1996. Mas não existe herói sem que haja quem tente destruí-lo. No caso de Jewell, são duas as forças que se voltam contra ele – e exatamente no momento de sua maior glória: o FBI e a imprensa sensacionalista. 

Este é um dado interessante e cruel, tirado por Clint Eastwood da história verídica de Richard Jewell. Ele é um herói tão improvável que passa a despertar suspeita. No mundo da imagem – que é o nosso –, como aquele ser tão mal ajambrado poderia se elevar acima dos seus concidadãos e praticar um ato de heroísmo? É mais fácil supor que tenha sido ele mesmo a forjar o atentado para se transformar em personalidade fake e receber as benesses dessa condição, fama e dinheiro. De modo que a vida de Richard Jewell, que se transformara em paraíso logo em seguida ao caso, logo vira um inferno. 

Temos aqui mais um capítulo da luta do homem contra o Estado, história tão cara ao liberal clássico anglo-saxão. Quer dizer, ao verdadeiro liberal, guardião das liberdades individuais, não este arremedo de liberalismo reacionário nos costumes que temos no Brasil. Clint ainda é um desses exemplares: o cavaleiro solitário, taciturno e seguro de si, em sua ética individualista e seca. Há, por certo, a celebração do patriotismo, mas também indignação na maneira como pinta os ataques desmesurados do FBI à dignidade de Jewell. Da maneira como tentam destruir o homem servindo-se de um arremedo de justiça. 

Outra das grandes instituições na berlinda é a imprensa, o “quarto poder”. E que, a exemplo da força do Estado, se usado de maneira inescrupulosa, pode se tornar criminoso. É outro velho tema do cinema, em especial norte-americano. O clássico dos clássicos, Cidadão Kane, não deixa de ser um filme sobre jornalismo. Dois títulos de Billy Wilder enxergam a profissão pelo seu lado mais escuro – A Montanha dos Sete Abutres e A Primeira Página. Todos os Homens do Presidente o celebra. 

Clint destaca o “lado escuro da Força” – e este é o ponto mais polêmico do filme, pois coloca em cena a gananciosa repórter Kathy Scruggs (Olivia Wilde). Em busca do “furo”, da notícia mais vendável, Kathy é apresentada como jornalista sem qualquer escrúpulo, pronta a destruir vidas em busca da história exclusiva, e trocar sexo por privilégio de informações. A versão de Clint é controversa e despertou enorme polêmica, em especial porque a verdadeira Kathy não está mais aqui para se defender – morreu em 2001.

De qualquer forma, foi ela a levantar a história de Richard Jewell e publicá-la no Atlanta-Georgia Constitution. A maneira como obteve as informações do FBI é objeto de debate. Assim como a forma como as manipulou para manter o assunto “quente” e vendável. Aos 89, Clint é um liberal à moda antiga, talvez um tanto machista. Mas o filme é maravilhosamente dirigido.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Clint Eastwoodcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Introvertidos são grandes atores porque têm muita coisa guardada internamente', diz Clint Eastwood

Diretor estreia 'O Caso Richard Jewell', sobre atentado na Olimpíada de Atlanta

Marcela Isaza/ AP/ LOS ANGELES , O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2020 | 07h00

Em entrevista ao lado do ator Paul Walter Hauser, Clint Eastwood fala sobre introversão, O Caso Richard Jewell e as críticas sobre a exatidão do filme, baseado em história real.

Como espera que este filme mude a percepção pública sobre Richard Jewell?

Hauser – Espero que além de entreter, porque nosso negócio é entreter e contar uma grande história, o filme ajude a limpar o nome dele. É uma volta triunfal para a família Jewell, embora sem Richard aqui com eles.

O que o mais o orgulha em sua obra?

Eastwood – Fiz uma peça de teatro no colégio e jurei que nunca mais voltaria a fazer isto. Mas depois, quando você começa a representar já adulto, percebe que este trabalho não é necessariamente para pessoas extrovertidas. Os introvertidos são grandes atores porque têm muita coisa guardada internamente. É apenas uma questão de aprender como deixar tudo isso sair. O trabalho de ator também é curioso porque você não sabe o que vai acontecer em seguida. É uma vida divertida, mas muitas coisas simplesmente acontecem. Chegam histórias e você procura contá-las da melhor maneira possível – e não é só uma forma de arte intelectual, é uma forma de arte emocional.

O editor do Atlanta Journal-Constitution (AJC) questionou a exatidão da história, disse que não é correto que Kathy Scruggs teve relação sexual em troca de pista e rechaçou a ideia de que o jornal teria usado fontes questionáveis. O senhor tem uma resposta?

Eastwood – O jornal é provavelmente o único grupo com algum tipo de complexo nessa história porque foi o primeiro a noticiar sobre um crime cometido por Richard Jewell. Assim, talvez eles estejam buscando maneiras de racionalizar sua atividade. Não tenho certeza. Nunca conversei com ninguém de lá.

Hauser – Mas também tem o problema dos filmes biográficos, que estão historicamente sob escrutínio, seja no caso da família Dupont em Foxcatcher ou na história que chocou o mundo – da Igreja Católica em Spotlight. É óbvio o que está ocorrendo com o AJC, e entendemos sua inquietação, mas estamos contando nossa história e achamos que fizemos um bom trabalho. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.