Novo cinema mundial, na Cinemateca

Começou hoje na Cinemateca Brasileira a mostra Esse Estranho Cinema. Trata-se de um ciclo dedicado a elogiadas produções do cinema mundial recente que, proporcionalmente ao destaque que mereceram em festivais e na mídia, pouco cartaz tiveram no mercado exibidor. Ao todo, são 15 filmes, e três sessões diárias.Abrem o evento Mentiras, do sul-coreano Jang Sun-Woo, que participou do Festival de Veneza de 99, Velvet Goldmine, do americano Todd Haynes, que esteve em Cannes em 98, e Ilusões de Órbita, do esloveno Martin Sulík.Um único brasileiro integra seleção, o cult Hitler Terceiro Mundo, do escritor, dramaturgo, cineasta e diretor José Agrippino de Paula. É também o único filme anterior à década de 90 da mostra: foi rodado (em 16 mm) em 1968, um ano após o autor lançar o seminal PanAmérica. Com Jô Soares, Ruth Escobar e Eugênio Kusnet no elenco, o filme é um dos marcos de fundação do que mais tarde seria tratado como cinema marginal.A mostra vai até o dia 23 e exibirá, entre outros títulos, Gotas D´Água em Pedras Escaldantes, do francês François Ozon, O Lixo e a Fúria, documentário do inglês Julien Temple sobre os Sex Pistols, Gente da Sicília, dos franceses Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, e O Einstein do Sexo, da alemã Rosa von Praumheim. A programação completa consta do site da Cinemateca.Sala Cinemateca - , Largo Senador Raul Cardoso, 207, tel.: 5084-2318. R$ 8,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.