Novatos alimentam boom no mercado de roteiros em Hollywood

Por Steven Zeitchik e Borys Kit LOS ANGELES (Hollywood Reporter) - Passados dois meses dofim da greve dos roteiristas de Hollywood, está emergindofinalmente um muito aguardado pequeno boom nas vendas deroteiros de filmes escritos por encomenda. Mas, em lugar do aumento esperado de contratos comroteiristas premiados com o Oscar, como Stephen Gaghan e StevenZaillan, o boom está sendo movido por roteiristas praticamentenovatos. É o caso de Michael Martin, funcionário de pedágio noBrooklyn, ou de um vendedor de seguros que vive com seus paisna Pensilvânia, ou, ainda, de um cineasta independentedesconhecido do Estado da Geórgia, que apenas recentemente semudou para Los Angeles. Contratos por cifras de seis ou mesmo sete algarismos comroteiristas novatos vêm surgindo com regularidade nas últimassemanas. Quase diariamente aparecem nomes que levam executivose agentes rivais a coçar suas cabeças e perguntar "quem ...?". A razão disso é que os colegas mais experientes dessesnovos roteiristas estão muito ocupados. Enquanto muitostalentos de primeira linha voltaram a trabalhar com projetospreviamente existentes, roteiristas aspirantes como Martin("Brooklyn's Finest"), o vendedor de seguros Brad Ingelsby("The Low Dweller") e Lars Jacobson, da Geórgia ("C.O.D.")passaram de desconhecidos a nomes pronunciados com frequêncianas colinas de Hollywood. "As pessoas estavam aguardando material de roteiristasconhecidos, mas os textos não apareceram, e isso permitiu queroteiristas novos vendessem suas propostas", explicou ErikFeig, chefe de produção do estúdio independente SummitEntertainment. "Não sei se esse tipo de material teriaconseguido atenção nas agências ou no sistema dos estúdios emqualquer outro momento." Executivos do mercado de desenvolvimento de filmes dizemprever que esse movimento continue por pelo menos mais algumassemanas. "Uma compra tende a dar origem a outra", explicou umagente. "Quando um estúdio perde um roteiro, então é hora deapostar num nome novo, porque você sabe que a demanda existe."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.