Nova adaptação dos Flintstones investe nos efeitos

Os Flintstones em Viva Rock Vegas não é tão divertido quanto a primeira versão em carne e osso de um dos desenhos mais carismáticos da TV. Ainda assim, o filme que estréia nesta sexta-feira no Brasil promete deliciar os fãs da série animada que completa seu 40.º aniversário este ano. O mérito é exclusivo da equipe de cenografia, figurino, desenho de produção e efeitos que reproduziu com fidelidade o espírito e o hábitat da turma de Bedrock.Como um hiato de seis anos separa o primeiro do segundo filme, ambos dirigidos por Brian Levant, os novos efeitos superam em número e em qualidade o original. Enquanto o primeiro tinha 66 efeitos visuais, aqui são mais de 200 - com destaque para as criaturas pré-históricas, tão graciosas quanto as desenhadas à mão para o desenho. Graças à computação gráfica, o filme reproduz com perfeição uma das marcas registradas dos personagens da Idade da Pedra: o uso de criaturas pré-históricas como utensílios domésticos. Não faltam polvos massageadores, pássaros que são usados como controle remoto e até mesmo pterodátilos que funcionam como transporte aéreo.O que deixa a desejar nessa produção é o roteiro insosso, inferior ao episódio mais mediano da série criada por William Hanna e Joseph Barbera. Apesar de contar com quatro roteiristas (Deborah Kaplan, Harry Elfont, Jim Cash e Jack Epps Jr.), parece que faltou história para preencher os 90 minutos de projeção. Viva Rock Vegas é o que os americanos chamam de "prequel", ou seja, um episódio que volta no tempo em relação ao filme original. Aqui Fred e Barney são jovens e ainda não conhecem suas respectivas futuras esposas, Wilma e Betty. Fred e Barney trabalham na pedreira de Bedrock, enquanto Wilma vive entediada na mansão dos Slaghoople e Betty ganha a vida como garçonete do Bronto King. Depois que Wilma foge de casa e fica amiga de Betty, as duas conhecem os seus pretendentes na lanchonete. Depois de um primeiro encontro desastroso, os quatro embarcam para Rock Vegas, onde as circunstâncias e o vilão da história, o trambiqueiro Chip Rockefeller, farão de tudo para separar os pombinhos.Risada idêntica - O grande destaque do elenco é Stephen Baldwin, muito convicente no papel de Barney Rubble - mesmo sendo alto demais para interpretar o fiel amigo de Fred. Com uma risada idêntica à do personagem, ele consegue resultado superior ao alcançado por Rick Moranis no primeiro filme. Mark Addy (um os strippers de Ou Tudo ou Nada) é o que mais se parece fisicamente com o personagem que interpreta, Fred, mas não chega a superar o desempenho de John Goodman - que deixou o autor da famosa frase Yabba-Dabba-Doo com mais personalidade.Kristen Johnston (da série 3rd Rock From the Sun) e Jane Krakowski (de Ally McBeal) fogem um pouco da caracterização de Wilma e Betty. A primeira está destrambelhada demais para convencer como Wilma, enquanto a segunda carrega na sensualidade de Betty. Mas não chegam a decepcionar, já que suas antecessoras na função, Elizabeth Perkins (Wilma) e Rosie O´Donnell (Betty), também tentaram em vão buscar o tom certo para as personagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.