IMS
IMS

'Nosferatu' será exibido com trilha sonora original ao vivo

Serão três exibições no Instituto Moreira Salles, em São Paulo: nos dias 12, 13 e 14

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

11 Junho 2018 | 15h43

Em 1919 – há quase 100 anos -, surgiu na Alemanha derrotada na Primeira Grande Guerra o movimento chamado de expressionismo. Luz, sombra e deformações visuais caracterizavam O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene. Casas e ruas fora de prumo e, nesse ambiente caótico, como o próprio mundo, o sinistro Dr. Caligari e seu servo zumbificado, Cesare, semeiam o terror. Mais três anos e, em 1922, de novo na Alemanha e mais uma vez no marco do expressionismo, surgiu um dos maiores filmes do cinema.

F.W. Murnau queria adaptar Drácula, mas não possuía os direitos do livro de Bram Stoker. Seguiu em frente com o projeto, apenas trocando o nome do seu sugador de sangue – Nosferatu. Na trama, um corretor é chamado ao castelo do Conde Orlok. Ao chegar ao local, ele se surpreende com o terror que a simples menção ao nome Orlok provoca nas pessoas. O conde tenta destruir o corretor, mas seu objeto de desejo é a mulher dele. Ellen é seu nome e ao atraí-lo para a luz ela conseguirá acabar com uma maldição secular.

+++ Versátil resgata ‘Trágica Obsessão’ de Brian de Palma

Nosferatu terá sessões com música ao vivo nos dias 12, 13 e 14, no Instituto Moreira Salles, na Av. Paulista, às 20h30. Um grupo de nove músicos vai execuitar a partitura original, reconstituída pelo pianista Hans Brandner e pelo regente Marcelo Falcão. Você vai ver como o filme fica ainda mais impressionante. Muito já se escreveu sobre o filme e seu ator, o mítico Max Shreck. O sobrenome significa 'medo' e a maneira como Max encarna o personagem é até hoje motivo de especulação. É notório o caso de Falconetti, que enlouqueceu ao vivenciar a tragédioa de Joana D'Arc no clássico de Carl Theopdor Dreyer, de 1925.

Com Max Shreck ocorreu algo similar. Nosferatu rasteja como um rato por seu castelo, projetando sombras ameaçadoras enquanto persegue Hutter, o corretor. A menção a 'rato' não é fortuita. Ele comanda os roedores, que invadem a cidade. Ergue-se rijo do seu caixão. Dissolve-se sob o efeito da luz. É a própria essência do expressionismo. A história de Nosferatu – o conflito entre luz e trevas – é transposta para o cinema por meio de uma estética inteiramente fundada na interação entre luz e sombra.

+++ Concerto na Sala São Paulo propõe uma viagem ao século 18

Drácula virou um personagem icônico no inconsciente coletivo. Inspirou toda uma série na empresa britânica Hamer, nos anos 1950, e a suntuosa ópera de Francis Ford Coppola nos anos 1990. Nosferatu, especificamente, teve remake de Werner Herzog, com Klaus Kinski tão marcante como Max Shreck no papel. Tão forte como o medo, há uma dimensão psicanalítica no mito do vampiro. O ato de sugar o sangue - “Sua mulher tem um belo pescoço”, diz Orlok a Hutter – tem tudo a ver com sexo.

Para ritmar os movimentos na tela, a trilha utiliza os intrumentos violino, viola, violoncelo, fagote, flauta, clarinete, trompete, percussão e órgão. Será a primeira vez que a trilha original será executada ao vivo no País. A venda antecipada foi um sucesso. Os poucos ingressos remanescentes serão vendidos na bilheteria do IMS, no dia de cada apresentação, a partir das 10 h.

Mais conteúdo sobre:
DráculacinemaVampiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.