Norma Bengell filma a arte de Guiomar Novaes

A arte, a música, a intérprete. Aatriz e diretora Norma Bengell define assim o foco principal deseu novo projeto, um documentário sobre a brasileira GuiomarNovaes, morta em 1979, um dos grandes nomes da interpretaçãopianística do século 20. "Ela era a música em seu estado puro,todas as dificuldades da vida ela soube superar se apoiando emsua arte", diz Norma, "uma pianista frustrada", apaixonadapelo talento e a personalidade de Guiomar.O documentário, na verdade, propõe essencialmente umdiálogo entre duas grandes artistas nacionais. Norma pretendeusar a câmera para revelar Guiomar perante o Brasil, dar a ela olugar que merece na história da arte brasileira. "Tudo bem quea área de música erudita no Brasil é sofrida, mas MagdalenaTagliaferro, por exemplo, é hoje muito mais conhecida e populardo que ela."Para tanto, a principal preocupação está em, deixando delado as tradições e costumes do documentário tradicional,mostrar como a pianista viveu para a música e dela tirou todo oseu alimento. "O que me encanta nela é seu trabalho deintérprete, a maneira como tocava o piano de um modo totalmentediferente, basta você ouvir o Hino Nacional (na verdade, aFantasia sobre o Hino Nacional Brasileiro, de Gottschalk) nainterpretação dela, é outra coisa, uma profusão de som românticocom som marcial, sonoridade de órgão", diz.Já prevendo horas de edição regadas a muitas lágrimas -"sou chorona e, com a música dela, não resisto" -, Normaconcluiu, então, que o modo mais eficiente de mostrar ao públicoquem foi Guiomar Novaes é apoiar-se na música. "O documentárioé, essencialmente, a música. Tudo gira em torno dela." Normaestá à procura de uma pianista que possa imitar os movimentos aopiano de Guiomar e pretende jogar com a iluminação parareproduzir situações que tiveram como palco o Teatro Municipalou a Sala Cecília Meirelles. Também serão utilizadas entrevistascurtas como familiares da pianista, como seu neto, eespecialistas em seu trabalho, como o musicólogo Arnaldo Senise."É um filme basicamente de edição", afirma.Norma, que está contando com a cooperação total dafamília da pianista - "são uns amores" -, também teve acesso avídeos que poderão ser utilizados no documentário. Isso vaidepender, porém, da qualidade do material - alguns são muitoantigos - e da permissão dos autores de algumas imagens, como ade uma aula dada por ela quando tinha 82 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.