No tom certo

Antes de o filme começar, já reparou naquela vinheta barulhenta que testa as caixas de som do cinema? Depois, surgem nomes como Dolby Surround ou DTS 5.1. E o público, se entendesse exatamente o que significam, ficaria tranqüilo quanto à qualidade do sistema de áudio da casa.   Dolby e DTS são empresas concorrentes que há décadas dominam o mercado de equipamentos de som para cinema. O tempo do analógico se foi e uma boa sala hoje precisa ter, pelo menos, um sistema digital 5.1 (com cinco canais de áudio espalhados corretamente pela sala mais um especialmente para freqüências baixas). Mais recentemente, a Dolby ainda idealizou outros dois canais atrás da platéia, o Dolby Digital EX.   Se para um leigo isso tudo soa grego, para Luís Henrique Ciocler é algo que remete à infância. Ele dirige a maior empresa brasileira no ramo de equipamentos para cinema, a Centauro, que ele herdou do pai, o imigrante romeno Abram Ciocler. A companhia, que começou fabricando projetores no fim dos anos 30, monta (ou fornece material para) a maioria das salas de São Paulo.   Hoje ele também forma os poucos técnicos que asseguram no Brasil o alto padrão de som das salas THX, espécie de selo de qualidade criado pelo cineasta George Lucas para as salas que seguem normas técnicas rígidas. Em São Paulo, são só três (Campo Limpo 4, Cinemark Iguatemi 1 e Kinoplex Itaim 6).   "De modo geral, a qualidade das salas deve melhorar, por exigência do próprio público", acredita Ciocler. E onde seria o melhor lugar no cinema para curtir o som do filme? "Se eu contar, nunca mais encontro um lugar bom vago", brinca, antes de abrir o jogo: no meio, mais próximo do fundo da sala. Anote.   GLOSSÁRIO Dolby e DTS: são as marcas de equipamentos de som para cinema. THX: é o selo de qualidade de salas com alto padrão de sistema de áudio

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.