Patrick T. Fallon/ Reuters
Patrick T. Fallon/ Reuters

No plano da Califórnia de reabrir a indústria cinematográfica, Hollywood é o 'desafio'

O condado de Los Angeles confirmou 40.000 casos positivos da covid-19 com quase 2.000 mortes, mais da metade dos registrados em todo o estado

Agências, AFP

21 de maio de 2020 | 15h00

A Califórnia divulgará na próxima semana um plano para reabrir sua indústria de entretenimento, no qual o principal desafio está em Los Angeles, epicentro da maioria das produções, mas também da pandemia no estado.

Os estúdios de cinema e televisão neste estado americano fecharam em meados de março, quando as ordens de confinamento entraram em vigor.

O governador Gavin Newsom disse na quarta-feira, 20, que a maioria dos 58 condados da Califórnia "terá a capacidade" de começar a retomada das filmagens seguindo os critérios que serão apresentados na segunda-feira.



Mas o condado de Los Angeles - lar dos estúdios de Hollywood, com o maior número de produções e cerca de 900.000 empregos no setor antes do fechamento - representa "o desafio".  "Ainda hoje, das mortes relatadas, um número desproporcional veio deste condado ... Estamos um pouco preocupados, eles estão algumas semanas atrás de todos os outros", disse o governador.

Sua chefe de gabinete, Ann O'Leary, descreveu Los Angeles como "o maior obstáculo que temos em relação à indústria".  "Eu não quero amenizar isso ... temos cada vez mais casos na área de Los Angeles e é por isso que vai haver alguns atrasos", disse O'Leary em uma videoconferência com os líderes da indústria do entretenimento.

O condado de Los Angeles confirmou 40.000 casos positivos da covid-19 com quase 2.000 mortes, mais da metade dos registrados em toda a Califórnia.

As autoridades locais divulgaram nesta semana que restaurantes e shopping centers não abrirão suas portas até pelo menos 4 de julho, mesmo quando outras partes do estado começarem a relaxar as restrições.

O chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, que participou da videoconferência, concordou que "tomar atalhos de segurança" teria "terríveis efeitos a longo prazo" sobre o setor.  A gigante do streaming já retomou as produções em países como Islândia, Suécia e Coréia do Sul.

Sarandos disse que as produções com equipes menores, como documentários, poderiam reabrir mais cedo, enquanto os filmes envolvendo multidões exigirão "muita segurança, muita logística".

A diretora e produtora Ava DuVernay (Selma) disse que as equipes no set podem ser divididas em grupos menores que operam em momentos diferentes para reduzir os riscos de contágio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.