Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alessandro Bianchi/Reuters
Alessandro Bianchi/Reuters

No Festival de Veneza, Mel Gibson fala sobre filme de guerra com médico herói

Ator, diretor e 'sobrevivente em Hollywood’, ele apresenta o longa ‘Hacksaw Ridge’ no festival italiano

Agniezka Flak, Reuters

04 de setembro de 2016 | 19h28

VENEZA - Mel Gibson qualificou sua relação com Hollywood de “sobrevivente”, enquanto se preparava ontem para a estreia no festival de Veneza de um filme que é um drama de guerra que marca seu retorno como diretor depois de uma década turbulenta na sua vida pessoal.

Os anos difíceis vividos pelo ator e diretor, ganhador de um Oscar, começaram em 2006 quando foi preso por dirigir embriagado e reagir com impropérios antissemitas. O que provocou manchetes em todo o mundo, manchou sua reputação e frustrou uma carreira espetacular que o tornou até então um dos atores, diretores e produtores mais bem pagos de Hollywood.

Em Veneza, Gibson, 60 anos, estreia o filme Hacksaw Ridge, um fascinante drama épico de guerra sobre um pacifista durante a 2ª Guerra Mundial. O filme narra a história de Desmond Doss, médico do Exército, interpretado por Andrew Garfield, que se recusou a portar armas, mas recebeu depois a Medalha de Honra por ter salvo 75 camaradas. 

“É um homem na pior situação possível, no meio do inferno na terra e entra na guerra armado apenas com sua fé e suas convicções, às quais se mantém fiel e realiza algo extraordinário que me inspirou”, disse Mel, durante coletiva de imprensa.

O ator de Máquina Mortífera e realizador de Apocalypto disse esperar que o filme desperte a noção de que devemos dar mais atenção aos veteranos que retornam de conflitos. “Quando voltam para casa eles precisam de amor e compreensão.” 

O filme começa com uma história de amor nas Blue Ridge Mountains da Virgínia e acaba na Batalha de Okinawa onde Doss, interpretado por Andrew Garfield, têm de encontrar uma maneira, em meio a cadáveres, membros e intestinos em pedaços, de levar seus camaradas para um lugar seguro.

Perguntado sobre trabalhar com Gibson, Garfield respondeu que ele é “como um bom pai ou uma boa mãe, tem aquele instinto maravilhoso de apoio e cuidados que você sente que não deve faze nada errado mesmo quando já errou muitas vezes”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.