Divulgação
Divulgação

No cinema, 'Ghost' foi o megassucesso que a indústria não acreditava

A história está cheia desses ‘acidentes’ e a cena do vaso, ao som de ‘Unchained Melody’, ajudou muito

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2016 | 05h00

Em 1990, e por um breve momento, Demi Moore virou a maior estrela de Hollywood. E tudo começou com o filme de David Zucker, que arrebentou na bilheteria e fez chorar toda uma geração de espectadores. Há 26 anos....

Na trama, Demi e Patrick Swayze amam-se, mas ele é morto e precisa voltar do além para proteger a ex, que também corre perigo. Entra em cena Whoopi Goldberg, que possui poderes mediúnicos e ‘recebe’ o espírito de Swayze. Para impedir qualquer sugestão de lesbianismo num filme visando a todos os públicos, é ele que abraça a amada na cena do reencontro.

Como o diretor vinha da comédia nonsense (Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu) havia dúvida de que acertasse no romantismo. Meg Ryan recusou o papel de Demi (e depois se arrependeu). Bruce Willis, com quem Demi era casada, também cedeu a vez a Swayze. A cena famosa já é musical. Demi e o amado modelando o vaso, ao som de Unchained Melody.

Mais conteúdo sobre:
Ghost Cinema Patrick Swayze Demi Moore

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.