No 1.º Festival de Cinema Latino-Americano, filmes e debates

Quarenta convidados internacionais, seis mesas para debater o cinema latino-americano em sua totalidade, 129 filmes. O 1.º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo pretende ser um marco na integração da comunidade cinematográfica continental. Duas mesas vão debater justamente a desinvenção das fronteiras. Do ponto de vista estético, isso representa discutir a ficção e o documentário, mas há mais. O cinema latino precisa se unir, vencer a barreira da língua e ser solidário para sobreviver, cultural e economicamente. Há um consenso de que é necessário extrapolar as fronteiras nacionais. Os mercados de todo o mundo são dominados por Hollywood. Como criar alternativas de co-produção, de distribuição e exibição? É o tema de outra das seis mesas que compõem a programação oficial.Não são todos os espectadores que estão interessados em participar dessas discussões, por mais importantes que sejam (e eles sabem disso). Para uma parcela muito expressiva do público, o festival é esse momento privilegiado que lhes permite assistir a filmes que não fazem parte do seu (do nosso) cotidiano. Os 129 títulos selecionados compõem uma história do cinema latino. O argentino Fernando Birri vem a São Paulo prestigiar a exibição de seu clássico Tire Dié, de 1959, e também para a homenagem à Escola Internacional de Cinema e TV de San Antonio de los Baños, em Cuba. Miguel Littin (Alsino y el Condor), Andrés Wood (Machuca) e Marcelo Piñeyro (O Método) também exibem seus filmes e participam dos debates. Outro clássico desse cinema que é preciso conhecer (e reverenciar) é La Hora de Los Hornos, de Fernando Solanas e Octávio Getino, de 1966-68. E o festival ainda serve de quadro para a divulgação do pouco conhecido, aqui, prêmio Luís Buñuel, criado em 1997 pela Federação Ibero-Americana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais. 1.º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo. Cinesesc. Rua Augusta, 2.075, Cerqueira César, 3082-0213; Memorial da América Latina. Avenida Auro Soares de Moura Andrade 664, Barra Funda, 3823-4600; Sala Cinemateca. Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Mariana, 5084-2177. Grátis. Até 16/7

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.