Nicole Kidman vai parar num mundo de Barbies

O novo filme estrelado por Nicole Kidman, Mulheres Perfeitas é um remake de The Stepford Wives, livro de Ira Levin que virou filme de Bryan Forbes em 1975, no Brasil com o título de Esposa em Conflito. Com observações mordazes sobre (e contra) a sociedade americana, o filme do diretor Frank Oz chega hoje ao Brasil. Oz fez rir as platéias do mundo todo com Será Que Ele É?, em 1997, ao colocar Kevin Kline na pele de um professor que todo mundo pensa que é homossexual. Ao lado de Nicole, Bette Midler e Glenn Close também interpretam as esposas de Stepford, cidadezinha de Connecticut onde vão parar a produtora de TV Joanna Eberhardt e seu marido. Joanna, a personagem de Nicole, produz reality shows tão sórdidos que terminam por abalá-la. Entra em depressão e o marido decide que a solução é saírem de Manhattan, mudando-se para um recanto paradisíaco da América, um lugar onde tudo é perfeito. Escolhem Stepford, onde parece estar cristalizada a América profunda de George W. Bush. Stepford é um modelo de ordem e beleza, com suas mulheres invariavelmente loiras e que usam vestidos floridos que não amassam nunca. Tanta perfeição só pode encobrir algo podre ou sórdido - é o que Nicole e o marido, interpretado por Matthew Broderick, vão descobrir. O mundo perfeito de Stepford é uma fantasia idealizada por maridos que criam a esposa de seus sonhos - impecável na aparência e intelectualmente nula. São todas loiras burras e isso se deve a um chip que é implantado na cabeça dessas mulheres, para que Ira Levin na literatura e Bryan Forbes e agora Frank Oz no cinema possam debater o tema da submissão feminina. Embora o diretor não vá ao limite, suas piadinhas sobre as grandes corporações e a moral americana ajudam a desmontar esse culto das aparências que hoje, mais do que nunca, parece estar no centro de todas as polêmicas na América. Nicole está linda, mas é só uma Barbie que Glenn Close, de novo na pele da megera, e Bette Midler, como a verdadeira heroína, não precisam nem fazer muito esforço para devorar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.