Regis Duvignau/ Reuters
Regis Duvignau/ Reuters

Nicole Kidman diz em Cannes que seu espírito rebelde a leva a papéis estranhos

Atriz está em três filmes e uma série de televisão exibidos no evento

Robin Pomeroy, Ruters

24 Maio 2017 | 11h33

Para uma atriz de primeiro escalão que, como ela mesma diz, não precisa trabalhar, Nicole Kidman esteve bastante ocupada antes do Festival Internacional de Cinema de Cannes, já que está em três filmes e uma série de televisão exibidos no evento.

"Eu não tenho que trabalhar. Trabalho porque ainda é minha paixão, é a maneira como me expresso", disse ela em uma coletiva de imprensa após a exibição de The Killing of a Sacred Deer, um dos títulos em que atua e que competem pela Palma de Ouro.

Nicole Kidman - cujos outros filmes em Cannes são a ficção científica adolescente How to Talk to Girls at Parties, um episódio do seriado "Top of the Lake", de Jane Campion, e "O Estranho Que Nós Amamos", de Sofia Coppola - disse que procura projetos incomuns.

"Quero apoiar pessoas que estão tentando coisas diferentes ou têm um estilo de filmagem muito, muito peculiar", afirmou.

Isso certamente se aplica a The Killing of a Sacred Deer, no qual vive a mãe de crianças misteriosamente vitimadas por uma paralisia e que seu diretor, Yorgos Lanthimos, diz ser uma comédia, mas se desenrola muito mais como um filme de terror.

"Adoro que me peçam para estar nestas coisas porque é exatamente o que sou", disse Nicole. "Sempre tive um espírito ligeiramente rebelde que me faz pensar: 'Não quero me conformar, quero encontrar uma maneira de evitá-lo'. Eu simplesmente sou assim".

O Festival de Cannes vai até o próximo domingo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.