Tiago Queiroz/ AE
Tiago Queiroz/ AE

Nelson Pereira dos Santos mostra otimismo com cinema nacional

Diretor atribui à democracia e a boa situação econômica o avanço das produções no Brasil

EFE,

30 Junho 2011 | 13h08

ESPANHA,Salamanca - O diretor brasileiro Nelson Pereira dos Santos disse nesta quinta-feira, 30, em Salamanca, na Espanha, que o cinema de seu país irá fazer sucesso, sempre que for "mantida a democracia" e se "permanecer a boa situação econômica".

 

O cineasta, que pronunciou a conferência do I Congresso Internacional História, Literatura e Arte no Cinema em Espanhol e Português, explicou à Agência Efe que o cinema brasileiro atravessa um momento "muito importante".

 

Segundo ele, esta situação deve-se a "recuperação da produção", prova disso é que, na atualidade, "são feitos cerca de 600 filmes por ano e existe uma variação temática e regional".

 

"Antes só era produzido [o cinema] em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas agora a produção está bem distribuída" e deu como exemplo os trabalhos feitos no nordeste e no centro do país.

 

Nelson Pereira disse ainda que atualmente, o Governo "está intervindo no cinema mediante a concessão de ajudas econômicas" e que "se permanecer a democracia e a boa economia" o setor "fará sucesso".

 

O diretor tem uma vasta produção cinematográfica no Brasil. Sua primeiro filme foi Rio 40 graus, lançado em 1957. Entre seus títulos estão ainda Vidas Secas, de 1962, adaptação da obra de Graciliano Ramos, Estrada da Vida, de 1979, sobre a dupla Milionário e José Rico, e, o mais recente, Brasil 18%, de 2006. Atualmente, Nelson Pereira dos Santos se prepara para lançar dois filmes sobre Tom Jobim, com previsão de estreia para agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.