Natal chega nas asas do dragão com <i>Eragon</i>

Christopher Paolini virou um fenômenoeditorial, se não exatamente literário, graças à sua trilogia daherança, que ele iniciou com apenas 17 anos, assumidamenteinfluenciado por J.R.R. Tolkien, o autor da saga de O Senhordos Anéis. O primeiro volume foi publicado de formaindependente pela própria família do escritor. Mas, em 2003,quando Paolini completou 19 anos - está com 22 -, a Alfred A.Knopf publicou a edição de capa dura, atendendo a uma demanda dopróprio público, que havia transformado a brochura no livroinfantil mais vendido na lista do The New York Times. A partir daí, era uma questão de tempo até que Hollywoodse interesse pela história de Eragon, o jovem herói que dánome ao primeiro livro. Eragon desembarca na segunda-feira nastelas brasileiras, como presente de Natal da empresa produtora edistribuidora Fox. A expectativa é de um grande sucesso dePúblico.Ordem e Justiça Em entrevista por telefone de Los Angeles, há cerca deum mês, o diretor Stefen Fangmeier apostava no sucesso deEragon. "A história é muito bonita e possui múltiplossignificados, para adultos e crianças. Cada um poderá desfrutarà sua maneira a saga de Eragon e de sua ligação com Safira."Eragon, interpretado pelo estreante Ed Speelers, é este heróijuvenil que, numa época de trevas, passa a ser o escolhido paraliderar a resistência ao rei Galbatorix. Logo no começo, umavoz conta as circunstâncias da história - houve um tempo em quedragões e cavaleiros formavam uma só coisa, lutando por ordem eJustiça, mas um desses cavaleiros traiu os amigos e iniciou umaguerra que extinguiu todos os dragões. Todos?Voz de Jeremy Irons A voz é a de Jeremy Irons, que faz Brom, que descobrimosdepois ter sido um cavaleiro destituído do seu dragão. É elequem introduz Eragon neste mundo mítico, com seu relato. Aindanesta abertura, há uma feroz perseguição dos espectros a serviçode Galbatorix, que caçam a garota (Arya), que fugiu com aquelaestranha pedra azul. Na verdade, não é uma pedra, mas um ovo, do qual saiSafira, a filhote de dragão voador que esperou mil anos paranascer - justamente porque durante todo o tempo ela estava àespera do escolhido, Eragon. Stefen Fangmeier é cria de George Lucas, na IndustrialLight and Magic, a empresa responsável pela revolução dosefeitos especiais em Hollywood. Fangmeier começou a ILM com OExterminador do Futuro 2 - O Julgamento Final, foi supervisorde efeitos visuais de Jurassic Park e se estabeleceu como umdos mais hábeis técnicos do cinema americano, com títulos comoPequenos Guerreiros, O Resgate do Soldado Ryan, Mar em Fúria eO Mestre dos Mares. Há tempos que ele sonhava virar diretor.Seu desejo veio ao encontro do produtor John Davis, da DavisEntertainment, que havia comprado os direitos de Eragon ebuscava um diretor para o projeto.Mistura de Tolkien com "Matrix" "Trabalho com efeitos visuais há bastante tempo e canseide ouvir que os jovens só se interessam pela imagem e por jogosde computadores. Christopher (Paolini) é a prova de que ointeresse dos jovens pela palavra não está esgotado. Ele criouum universo fascinante que trabalha temas clássicos como amor,coragem, lealdade, amizade. Misturou elementos de Tolkien comoutros de Matrix, porque a figura do ?escolhido? é recorrentenas sagas, tanto as de tempos imemoriais, como a de Tolkien,quanto as futuristas, tipo a de Matrix." Até por sua experiência como diretor de efeitosespeciais, Fangmeier não tinha dúvida de que poderia levar acabo o projeto ambicioso de contar a história de Eragon. Oprodutor também foi reunindo um elenco de grandes nomes que odeixava tranqüilo - Jeremy Irons, John Malkovich, Robert Carlyle Só uma coisa o preocupava e era o intérprete de Eragon. "Sabiaque o filme dependeria muito de termos o ator certo no papel.Fizemos testes em todo o mundo. Quando conheci Ed (Speelers),não duvidei mais. Embora não tivesse experiência de atuar, fuiseduzido por sua energia. Tinha encontrado o meu Eragon, o meuescolhido. A partir daí, tudo foi mais fácil."Eragon (EUA/ 2006, 104 min.) - Aventura. Livre. Dir.Stefen Fangmeier. Em grande circuito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.