Não parece, mas "Vovó... Zona" pode até agradar

Se você não se importar com o fato de que histórias de gente travestida fazendo-se passar por outra já está mais que repetida, a comédia Vovó...Zona - em circuito a partir de hoje - pode até agradar.E sabendo que o diretor Raja Gosnell só havia dirigido antes os dispensáveis Esqueceram de Mim 3 e Nunca Fui Beijada, a história do policial do FBI que tem que encontrar a mulher de um perigoso assaltante numa cidadezinha do sul dos Estados Unidos pode parecer bobagem semelhante. Mas não é. O mote policial se transforma numa comédia quando a Vovozona (interpretada primeiro pela cantora Ella Mitchell), decide viajar. O policial Malcom (Martin Lawrence), mestre em disfarces, assume seu lugar para esperar a chegada da neta, Sherry (Nia Long), a quem ele quer surpreender com seu namorado assaltante. As situações inusitadas da Vovozona falsa se relacionando com a neta, ao mesmo tempo que o investigador se apaixona pela bela personagem de Nia Long, rende momentos divertidos. A cuidadosa caracterização de costumes da cidade e da casa da Vovozona dá alguns pontos ao diretor.Mas Gosnell é insistente. Ele quer porque quer fazer comédia. Mesmo que remontemos ao seu currículo como editor, essa persistência confere. O fato é que tem concertado seus erros de filme em filme, e ainda que esteja longe de arrancar gargalhadas de sua platéia, tem transformado suas histórias em roteiros mais digeríveis, com um ritmo agradável. Esse é o caso de Vovó... Zona.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.