Aline Lara/Divulgação
Aline Lara/Divulgação

'Não construiremos um país melhor se não houver respeito por todos', diz o ator Silvio Guindane

Silvio Guindade estrela 'Mare Nostrum', que chega aos cinemas na quinta-feira, 4

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2018 | 06h00

Silvio Guindane, protagonista do filme 'Mare Nostrum', falou ao Estado sobre o filme de Ricardo Elias que estreia nesta quinta-feira, 4.

Como foi reencontrar o diretor, 15 anos após ‘De Passagem’?

Quando comecei a conversar com o Ricardo (Elias) sobre o filme, ele nem estava certo de que me queria no papel. Mas o mais bacana é que se trata de um filme sobre paternidade e, na época, a Júlia (Rezende, mulher do ator) estava grávida e eu me preparava para ser pai. A ficção e a realidade se alimentaram e eu acho que as duas coisas terminaram por me fortalecer. O papel me preparou para a vida.

Como é ser dirigido pela mulher, o amigo?

Acho que é um dos baratos do cinema. Fazer as coisas com afeto. Júlia e eu demoramos para trabalhar juntos e, quando isso ocorreu, foi uma delícia. No set, ela é muito focada, mas em casa, como todo casal, quando a gente falava no trabalho, era muito enriquecedor. E o Ricardo... Ambos estamos em outros momentos de nossas vidas, mais maduros. Foi ótimo.

Você tem incursionado muito pelo teatro. É autor e diretor de uma peça com Luana Piovani (Ele Ainda Está Aqui), vai fazer uma peça com Emílio Dantas em Portugal...

Tenho feito esse intercâmbio, trazendo coisas de Portugal para o Brasil e levando coisas nossas para lá. Acho essa troca muito rica porque abrange nossas raízes, não só na colonização, mas as africanas.

A representatividade está no centro do filme do Ricardo (Elias)...

E eu acho muito importante. Discutir as questões do negro, das mulheres, das minorias sexuais. Não construiremos um país melhor se não houver respeito por todos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.