Filme retrata e embeleza São Paulo
Filme retrata e embeleza São Paulo

Na Mostra de Cinema de São Paulo, Masp é linha de chegada de obra-prima

'São Silvestre’, de Lina Chamie, é talvez o melhor filme brasileiro do ano e inaugura sessões no vão do museu

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2013 | 21h04

É o lugar perfeito. São Silvestre, de Lina Chamie, inaugura nesta segunda as sessões do vão do Masp na Mostra. O filme é sobre a célebre corrida que se realizada na cidade todo 31 de dezembro. O ponto de partida é o Masp. O de chegada, o prédio da Gazeta, Ambos na Av. Paulista. Lina morava até pouco tempo atrás no prédio de apartamentos do lado da Gazeta. A corrida sempre fez parte de sua vida, mas ela a via a distâncias. “Em 2008, desci para ver a chegada, e como morava ali pude ficar numa área privilegiada. Fiquei duas horas vendo as pessoas chegarem. Muitos em estado de graça, outros, de desgraça, mas era tudo a mesma coisa. Dava para sentir a experiência que todos haviam vivido. Aquelas pessoas não seriam as mesmas. O desejo de fazer um filme nasceu ali, mas não foi fácil de concretizar.”

Lina, que tem outro filme na Mostra – Os Amigos –, perseverou, e fez bem. É uma autora exigente, com uma obra interessante. Com São Silvestre, ela se supera. O filme é sua obra-prima e, talvez, o melhor filme brasileiro de um ano que está sendo muito bom para o cinema do País. Lina concorda com a observação do repórter – seu método de captar a imagem talvez seja, ou é, documental. Mas a estrutura que ela imprime a São Silvestre, e a trilha, são ficcionais. Sabia que tinha de filmar o trajeto e a chegada. Os vencedores estão lá. Mas não é um registro da corrida. “Concordo. É outra coisa.” E que outra coisa é essa? Um óvni no cinema brasileiro. Um filme sobre São Paulo, que ela não se preocupa em embelezar. A cidade é como é. Mas dessas esquinas carcomidas emerge uma particular beleza, como Caetano diz em Sampa.

Lina fazia uma filmagem experimental no domingo anterior à prova. Era de manhã e muitos corredores faziam o trajeto para se familiarizar. Numa curva do Minhocão, teve a revelação. O sol se erguia no horizonte. A trilha de São Silvestre começou a se desenhar naquele momento. Vieram-lhe os acordes da Primeira de Mahler. “É a Aurora, o som do despertar.” E a trilha foi se desenhando assim. Parsifal, de Wagner, carrega a liturgia do divino. “Há algo de sagrado ali, como se fosse uma redenção.” Nada nos acordes de Vangelis para sublinhar a competição e a vitória em Carruagens de Fogo. O que ela busca é diálogo entre imagem e som. “O espectador não precisa saber de minhas escolhas, nem a da Valsa Triste de Sibelius. A música, independentemente de ser entendida em seu significado profundo, tem sonoridade que nos transcende. Não é preciso ter a informação para experimentar a sensibilidade.”

Toda a corrida de São Silvestre, vista por Lina Chamie, é vista como uma experiência solidária, íntima, dentro de um contexto coletivo. Seu ator fetiche, Fernando Alves Pinto, é um dos corredores. Carrega uma câmera que documenta não apenas sua expressão, mas o que ele diz. Fernando é individualizado, como o são outros corredores. Mas o que interessa, nessa viagem, é a explosão de humanidade. O grupo, a massa de corredores que adentra a Paulista, interessa mais que os vencedores. Eles estão ali, mas não são o principal para a diretora. E, por isso mesmo, é bom que o público veja hoje São Silvestre tirando o olho da tela, no vão do Masp, para olhar a cidade que passa ao lado. Lina reconhece que tem relação visceral com a cidade. “São Paulo me emociona”, resume. É isso que coloca em seu filme. São Silvestre não é documentário tradicional, nem ficção. É um híbrido. Filme para ser construído pelo olhar do público. Quem o fizer estará completando um dos mais simples e complexos filmes do ano. É como a cena de Judy Davis nas cavernas de Marabat em [ITALIC]Passagem para a Índia, de David Lean. O indiano pergunta à inglesa romântica, que experimenta um estremecimento: “O que é?”. Ela diz que não é nada, como poderia dizer que é tudo. São Silvestre é tudo.

SÃO SILVESTRE

Direção: Lina Chamie (80 minutos). Livre

Vão Livre do Masp - Hoje (21), às 19h30

Espaço Itaú Augusta - Dia 28, às 22h20

Espaço Itaú Frei Caneca - Dia 29, às 14h

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.