Musical alternativo vira hit nos cinemas

Um musical que começou sua carreira entre bares e pequenos teatros do circuito off-Broadway fez tanto sucesso em Nova York que ganhou uma versão no cinema. O filme, que chegou este fim de semana às telas, dá outra dimensão ao fenômeno. Hedwig and the Angry Inch estreou com críticas muito positivas, salas de cinema cheias e um ótimo boca-a-boca. Tem tudo para virar o novo The Rocky Horror Picture Show.Hedwig and the Angry Inch conta a história de um garoto de Berlim Oriental, Hansel, que faz uma operação de mudança de sexo para poder se casar com um soldado americano e deixar a Alemanha comunista. Ele então vira Hedwig, uma dona de casa de Kansas que mais tarde se revela uma grande compositora de rock que tem seu trabalho plagiado por um pupilo e amante. A história é contada por meio de números musicais durante uma turnê decadente da banda de Hedwig que coincide com o giro bem sucedido de Bob Gnosis (Michael Pitt), o plagiador.Hedwig and the Angry Inch é um espetáculo estrelado, produzido e dirigido por John Cameron Mitchell. Ele desenvolveu o personagem Hedwig em 1994, em parceria com o compositor Stephen Trask, autor de todas as músicas e letras do espetáculo.A primeira apresentação de Hedwig and the Angry Inch foi na festa Squeezebox, do club Don Hill, no West Village. Depois, o espetáculo que tinha meia hora de duração, com músicas de Fleetwood Mac e David Bowie, foi mostrado em vários bares do East Village, até ganhar fama de cult e estrear no Jane Street Theater, no circuito off-Broadway.Com tanto sucesso, surgiu a idéia de levar a história ao cinema. Segundo Mitchell, seu objetivo principal era fazer com que "as letras pudessem ser entendidas". A transformação de peça em filme (que custou US$ 5 milhões para ser rodado) é perfeita. A energia está toda lá e os personagens e a história ganharam um pouco mais de profundidade. Desenhos animados de Emily Hubley deixam tudo ainda mais bonito.A atuação de Mitchell é absolutamente carismática. Também vale destacar o trabalho de Miriam Shor, que, com uma barba postiça, faz o papel de Yitzhak, o marido polonês maltratado por Hedwig. Outro destaque é o humor, que aparece em piadas sobre o mundo pop, como Olivia Newton-John, Whitney Houston, Phil Collins, Captain and Tennille e as bandas Kansas, Europe e Asia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.