Gávera Filmes
Gávera Filmes

Música 'Eduardo e Mônica' se torna filme com Gabriel Leone e Alice Braga

Para completar, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá preparam nova turnê da Legião Urbana com o disco 'Dois' e 'Que País É Esse?'

Pedro Antunes , O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2018 | 06h01

BRASÍLIA - Alice e Gabriel não eram nada parecidos, ela é de Áries e ele tem 25. Ela gostava de Ramones, ele de The Who. Ela estrelava como atriz filmes internacionais quando ele, talvez, ainda frequentasse as aulinhas de inglês. “Quem um dia irá dizer...”, canta Renato Russo, naquela que é uma das mais famosas canções gravadas com a banda dele, a Legião Urbana.

Gabriel e Alice são Gabriel Leone e Alice Braga, os responsáveis por dar vida a Eduardo e Mônica, os personagens da nova adaptação de uma letra de Renato para as telonas – seguindo o movimento que levou Faroeste Caboclo para os cinemas. 

Novamente sob a batuta do diretor René Sampaio, também diretor da trajetória de João do Santo Cristo, Eduardo e Mônica, o filme, tem estreia prevista para o segundo semestre de 2019. A realização é de Gávea Filmes, Barry Company e Fogo Cerrado, uma coprodução da Globo Filmes e distribuição da Downtown

E como ocorreu em 2015, na época da celebração dos 30 anos do primeiro disco da Legião Urbana, Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos voltam a sair em turnê como Legião Urbana, acompanhados de André Frateschi (voz), Lucas Vasconcellos (violão e guitarra), Roberto Pollo (teclados) e Mauro Berman (baixo).

Na primeira vez, eles comemoraram o repertório do álbum de estreia e depois passaram para outros sucessos da carreira do grupo. Ao longo de um ano e meio, foram 100 apresentações e um público total de 500 mil pessoas. Agora, a turnê que se inicia em Miami (6 e 7 de setembro) foca no repertório do segundo e terceiro disco da Legião, Dois (1986) e Que País É Este? (1987).

O grupo, por enquanto, tem programado apresentações em Santos (dia 14 de setembro, no Mendes Convention Center), Rio de Janeiro (dia 15, no Km de Vantagens Hall), Belo Horizonte (dia 22, no Km de Vantagens Hall BH), Salvador (dia 29, na Concha Acústica), São Paulo (5 de outubro, no Espaço das Américas) e Vila Velha (dia 11 de outubro, no Área de Eventos Shopping Vila Velha).

Se Que País é Este? é um álbum mais raivoso, com parte das canções feitas para a banda punk Aborto Elétrico – um sinal de uma banda esgotada criativamente e fisicamente após dois discos e turnês intensas –, Dois é a Legião Urbana em forma, na medida entre o peso do punk, a doçura do folk e as letras inspiradas de Renato Russo

E de Dois, por exemplo, que vem Eduardo e Mônica, uma canção descrita por Dado como “um argumento para um filme”. Argumento, sim, mas embora os quatro minutos e 31 segundos de canção sejam descritivos, sabe-se pouco de Eduardo e Mônica como personagens e seus desenvolvimentos particulares – além das preferências dela por cinema de arte, estudar Medicina, ouvir Caetano Veloso e Mutantes, enquanto o rapaz, aos 16 anos, jogava futebol de botão com o avô e assistia novelas na TV. 

“Não estamos fazendo um videoclipe para essa música”, faz questão de explicar Bianca De Felippes, a produtora do longa, enquanto espera pelo diretor de arte do filme, Tiago Marquês, na sala transformada em QG da equipe comandada por Marquês e incumbida de transformar o roteiro assinado a oito mãos (Mateus Souza, Claudia Souto, Jessica Candal e Michele Franzt) em realidade na tela. 

Faltavam poucos minutos para a sexta-feira, 3, no intervalo entre a filmagem de uma cena e outra, quando René Sampaio e os protagonistas de Eduardo e Mônica sentaram-se em um camarim montado ao lado da casa da personagem interpretada por Alice Braga para conversar com o Estado sobre o longa. Era uma madrugada de frio ameno (o termômetro de rua próximo marcava 16ºC). 

Alice conta ter ouvido a canção-base para filme pela vez aos 12, 13 anos, em uma viagem por Florianópolis, no rádio do carro dirigido por Jorge Furtado, amigo de sua mãe. Leone, fã confesso da Legião, diz achar que Dois “é um dos maiores discos da música brasileira”. 

Eduardo e Mônica, o filme, expande o que se ouve em Eduardo e Mônica, a canção, defende Sampaio, diante dos olhares de aprovação de seus dois atores. Para ele, “todo mundo já foi Eduardo ou Mônica”. “Não só no sentido da idade”, ele diz.

E cita a própria letra de Renato Russo para falar sobre a dualidade a ser tratada na telona, entre razão e coração: “Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?"

ENTREVISTAS

‘O público respondeu e ficamos seis meses a mais em turnê’, Marcelo Bonfá, baterista da Legião Urbana

Quando o resultado da primeira turnê motivou vocês a embarcar nessa onda de revisitar os outros discos da Legião Urbana? 

Pô, a gente teve uma resposta muito boa por parte do público. Ficamos seis meses a mais em turnê! Estamos ensaiando esse novo show e o repertório está incrível. 

Aliás, dessa vez vocês juntaram o segundo e o terceiro disco. Os dois têm ‘30 anos e pouquinho’, não é uma data redonda... 

É, sabe como é, a gente deu uma atrasadinha (risos). 

Mas e a ideia de juntar os dois álbuns no repertório de uma 

mesma turnê? 

A verdade é que não somos apegados a datas, não planejamos com antecedência isso de celebrar os 30 anos de cada um dos discos... Mas eu sei que Dois tem uma baita relevância. Juntamos o terceiro disco, que foi um momento no qual nos demos tempo para respirar. E, com ele, o repertório ficou mais rico ainda. Isso tudo para preparar para a turnê do quarto disco (‘As Quatro Estações’, de 1989), um disco no qual agregamos mais sonoridades, teclados e tudo mais. 

‘Renato me entregou uma fita cassete com Neil Young e Paul’ , Dado Villa-Lobos, guitarrista da Legião Urbana 

O jornal ‘O Globo’ noticiou que vocês terão que pagar um terço do valor dos contratos da turnê passada para a empresa Legião Urbana Produções Artísticas, do filho do Renato, o Giuliano Manfredini. Como ficou essa história?

O que rolou foi uma questão do uso da marca. Nós fomos uma banda até 1996. Aí o Renato (Russo) partiu. Eu e o (Marcelo) Bonfá viemos tomando algumas surpresas pela frente, não só sobre a turnê passada. Desde então, temos advogados para cuidar dessas questões. Eu e Bonfá queremos celebrar as nossas vidas por meio dessas canções. Existe uma demanda do público e isso é muito motivador. 

Como foi a construção do som do disco ‘Dois’, no meio daquela turnê da estreia? 

O Renato me entregou uma fita cassete com canções de Neil Young, Cat Stevens, Paul McCartney. Ele fez essa coletânea de músicas com enorme força do violão, com um viés mais acústico. Estávamos saindo de um disco mais punk e ele me disse: “Saca só essa linguagem do violão”. E fomos incorporando isso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.