Frederic Batier/Netflix via AP
Frederic Batier/Netflix via AP

'Munique: No Limite da Guerra' trata de momento pouco conhecido da 2ª Guerra

Filme da Netflix mostra como europeus tentaram evitar o conflito

Jake Coyle, AP

29 de janeiro de 2022 | 05h00

Da última vez que vimos George MacKay correndo, ele estava a toda velocidade em um campo de batalha da Primeira Guerra Mundial. Em 1917, o ator britânico interpretou um soldado encarregado de transmitir uma mensagem de que uma ofensiva prestes a ser lançada estava fadada ao fracasso.

Em Munique: No Limite da Guerra, o ano é 1938 e o cenário é Londres, depois Munique. Mas MacKay está novamente trazendo comunicações urgentes que às vezes o fazem correr pelas ruas da cidade - como entregar ao primeiro-ministro Neville Chamberlain (Jeremy Irons) notícias das últimas ações da Alemanha contra a Checoslováquia.

Ainda não estamos imersos na confusão da guerra, como em 1917, mas estamos preparados para seu prelúdio. No papel de Hugh Legat, MacKay interpreta um recém-formado em Oxford e secretário particular de Chamberlain. Ao redor de Londres, Legat observa os sinais ameaçadores de uma tempestade que se aproxima, enquanto testemunha o funcionamento íntimo de um primeiro-ministro manobrando para manter Hitler sob controle. O tempo avançou duas décadas, mas MacKay é novamente um ator em um grande drama, desesperado para evitar uma catástrofe inevitável.

O filme, disponível na Netflix, é dirigido por Christian Schwochow e adaptado do livro de Robert Harris, de 2017. O romance histórico foi baseado em fatos, mas traz inventou um punhado de personagens imaginários que giram em torno de Chamberlain e Hitler. Legat é uma dessas invenções, como seu colega de faculdade, Paul (Jannis Niewöhner), um alemão que agora trabalha no Ministério das Relações Exteriores de seu país, mas furtivamente tenta sabotar a ascensão de Hitler (Ulrich Matthes). Com uma bela reconstituição da época, Munique – No Limite da Guerra é um thriller histórico cativante e fácil de se assistir, com personagens fictícios como espiões em torno de líderes políticos em um momento profundamente tenso e lamentavelmente mal interpretado.

É um momento muitas vezes visto com vergonha. Hitler está se preparando para invadir os Sudetos, cadeia de montanhas com população majoritariamente alemã no oeste da Checoslováquia. A Europa está tentando avaliar o alcance total das ambições de Hitler, e rezando para que isso não signifique outra guerra. Se aquela região checa for concedida à Alemanha, isso vai acalmá-lo e evitará mais derramamento de sangue em todo o continente? Nós, é claro, sabemos a resposta a essa pergunta, e isso rouba do filme um pouco de seu drama. Também lhe dá uma pungência comovente: lutar pela paz vale a pena, sugere Munique, mesmo quando é uma causa condenada.

Mas também é um momento estranho para comemorar o apaziguamento dos fascistas. O legado geralmente aceito do Acordo de Munique é que Chamberlain estava fatalmente errado quando ele, ao desembarcar na Grã-Bretanha depois de garantir uma promessa de Hitler, anunciou “paz em nosso tempo” para o aplauso de uma multidão. A melhor justificativa para o Acordo de Munique é que ele deu tempo para a Grã-Bretanha e outros construírem suas defesas para a guerra que começaria imediatamente um ano depois. Mas abriu a porta para a conquista de Hitler. Munique seria mais bem fundamentado – e mais oportuno – se gastasse menos esforço para honrar as nobres esperanças de Chamberlain e mais tempo examinando por que ele, a Grã-Bretanha e a Europa não estavam mais atentos ao perigo claro e presente.

A ironia é que os momentos mais eficazes de Munique são as cenas entre Legat e Chamberlain. Detalhes como a vida familiar de Legat, a conversão de Paul de patriota a radical e o próprio Hitler, são esboçados de forma tênue e às vezes desajeitada – uma pena porque Niewöhner é o destaque do filme. Todas as mulheres do filme – incluindo a esposa de Legat (Jessica Brown Findlay), sua amiga judia da faculdade (Liv Lisa Fries) e a colega conspiradora de Paul (Sandra Hüller, de “Toni Erdmann”) – são subutilizadas.

Mas o retrato simpático do primeiro-ministro, extraído do livro de Harris, é bem interpretado por Irons. E o estado de alerta de MacKay mantém Munique no limite. Há uma terna consideração em suas conversas sobre manter os princípios diante do totalitarismo. Claro, um brinde à honra cavalheiresca. Mas como Chamberlain, Munique perde o momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.