"Munique", de Steven Spielberg, estréia nos cinemas

Nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, onze atletas de Israel foram mortos em ação de terroristas palestinos. O episódio verídico dá início ao filme Munique, de Steven Spielberg, que estréia nessa sexta-feira nos cinemas. Por se tratar da relação entre Israel e Palestina, um assunto sempre delicado, o diretor tomou o cuidado de consultar historiadores e teólogos e até mostrar o filme a líderes judeus e muçulmanos, na tentativa de não ofender ninguém. O filme foi baseado no livro A Hora da Vingança, de George Jonas, que teria entrevistado um ex-agente do Mossad,o serviço secreto israelense. Munique conta o que aconteceu depois, quando o Mossad, começou a caçar os palestinos que supostamente participaram do atentado. Eric Bana, que esteve nos filmes Hulk e Tróia, interpreta o personagem fictício Avner, líder de um dos grupos que saem pela Europa atrás dos alvos. No decorrer dos assassinatos, o diretor transforma o contexto político em pano de fundo para o conflito pessoal do protagonista, que se distancia da mulher e da filha e questiona a legitimidade da missão. A mensagem do filme não é dirigida para extremistas, nem árabes, nem palestinos parecem ter ficado muito contentes com o resultado, serão justamente os menos radicais irão se envolver com o trabalho do diretor. O tema já foi assunto do documentário Um Dia em Setembro(2000), de Kevin Macdonald e de outros filmes como Pânico em Munique (1977), de William Graham e A Hora da Vingança (1986), de Michael Anderson.As livrarias receberão dois lançamentos sobre o caso que inspirou Spielberg. A Hora da Vingança, de George Jonas, foi lançado, inicialmente, nos anos 80 e conta a história do atentado e da caçada israelense do ponto de vista de Avner.Contra-Ataque é a narração do ponto de vista de Aaron J. Klein, um especialista israelense em assuntos militares, que vê o atentado do Setembro Negro e a caçada feita pelos agentes do Mossad sob uma perspectiva mais sombria, praticamente desmentindo o relato de George Jonas. A Hora da Vingança- Record, 420 págs., R$ 59,60 Contra-Ataque Ediouro, 300 págs., R$ 34,90

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.