Mundo pornográfico é tema de filme na Mostra

Que importa o nome? Ele é simplesmente Ash, como o diretor dos filmes com As Panteras se assina simplesmente McG. Ash veio a São Paulo para apresentar seu filme A Vida Desta Garota na mostra. O filme poderia ter sido votado pelo público para ficar entre os indicados para o troféu Bandeira Paulista, que o júri da mostra entrega depois de amanhã, à noite. Mas não teve quórum para isso. A Vida Desta Garota é um dos filmes mais perturbadores do evento. Ash é inglês, formou-se em psicologia. Queria fazer um filme para iluminar o mistério da sexualidade feminina. Terminou construindo uma história em torno de uma estrela pornô, a melhor de todas. Por meio dela, tece uma crônica inicialmente glamourosa sobre o mundo do sexo explícito. Numa das primeiras cenas de A Vida Desta Garota, a protagonista vai visitar o famoso diretor de filmes de sexo explícito e ele lhe faz duas perguntas. As respostas são: "Sou curiosa", para a pergunta sobre o que a levou àquele meio; e "Gosto" (de sexo). É muita coincidência. O repórter quer saber se ´Eu sou curiosa´ é alguma referência ao filme sueco de Vilgot Sjoman, nos anos 1960. Exibido em duas partes, Sou Curiosa ? Amarelo e Sou Curiosa ? Azul, conta a história de um casal de uma maneira, digamos, erótica ´normal´ e depois com abundância de cenas de sexo explícito. Ash não conhece a série de Vilgot Sjoman. Ficou muito interessado em conhecê-la. O mundo da pornografia parece glamouroso e sedutor, o diretor pornô é um gentleman e aí vem essa cena, quando a amiga da estrela não quer fazer uma cena de sexo com vários homens e ele a enche de cocaína (e porrada). O glamour cai por terra e esse mundo aparece como verdadeiramente é - sórdido. Sua atriz principal é Juliette Marquis, uma ucraniana sobrevivente de Chernobyl que pode ter escapado da radiação, mas é dinamite pura. OK, A Vida Desta Garota não ficou entre os mais votados do público da mostra, mas Juliette, se houvesse uma votação específica, teria de ser a mulher nota 10 do evento deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.