Steve Crisp/Reuters
Steve Crisp/Reuters

Mulheres de Hollywood lançam iniciativa contra assédio sexual

Nomes como Cate Blanchett e Meryl Streep fazem parte da iniciativa, que visa proporcionar apoio legal a mulheres e homens assediados

AFP

01 Janeiro 2018 | 17h13

Mais de 300 atrizes, escritoras, diretoras, agentes e outras executivas do entretenimento revelaram na segunda-feira, 1.º, uma iniciativa para enfrentar o assédio sexual generalizado em Hollywood e em todos os ambientes de trabalho nos EUA. O plano, chamado Time’s Up, inclui um fundo de defesa legal, que até agora arrecadou US$ 13,4 milhões da sua meta de US$ 15 milhões, para proporcionar apoio legal subsidiado a mulheres e homens que foram sexualmente assediados, agredidos ou ainda abusados em seu local de trabalho.

A iniciativa tem como foco especial pessoas com baixos salários, como empregadas domésticas, porteiros, garçonetes, trabalhadores de fábricas e da agricultura. O movimento se formou depois que uma avalanche de acusações pôs fim à carreira de homens poderosos do entretenimento, dos negócios, da política e dos meios de comunicação, provocada pelo escândalo de má conduta sexual do produtor de cinema Harvey Weinstein.

“Com muita frequência, o assédio persiste porque os perpetradores e os empregadores nunca são responsabilizados e pagam por seus atos”, expressaram as promotoras do plano em carta aberta publicada no site do grupo, assim como em um anúncio de página inteira no The New York Times e no jornal em espanhol La Opinión.

++ Os efeitos do escândalo sexual que envolve o magnata do cinema Harvey Weinstein

Time’s Up, que se traduziria como “o tempo acabou”, também pede que haja mais mulheres em postos de poder e liderança, assim como igualdade de benefícios, oportunidades, remuneração e representação para as mulheres, e insta os meios a concentrarem a atenção nos casos de abuso em “mercados menos glamourosos e valorizados”. “Seguimos comprometidos a fazer com que nossos lugares de trabalho sejam responsáveis, impulsionando mudanças rápidas e efetivas para que a indústria do entretenimento seja um lugar seguro e equitativo para todos”, afirma a carta.

++ Globo de Ouro, “de preto”, abre a temporada de premiações 2018

Também promete contar “histórias de mulheres com o nosso olhar e a nossa voz para mudar a percepção e o tratamento dado às mulheres de nossa sociedade”. E pede para todas se vestirem de preto na cerimônia de premiação do Globo de Ouro neste domingo, 7, como uma manifestação contra a desigualdade de gênero e racial, assim como para chamar a atenção para os esforços do grupo.

Entre as centenas de membros da iniciativa Time’s Up estão as atrizes Cate Blanchett, Ashley Judd, Natalie Portman e Meryl Streep, a presidente da Universal Pictures, Donna Langley, a escritora feminista Gloria Steinem, a advogada e ex-chefe de gabinete de Michelle Obama, Tina Tchen, e uma das presidentes da Nike Foundation, Maria Eitel. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.