Divulgação
Divulgação

Mostra Olhar de Cinema programa filmes ousados, mas que se comunicam com o público

Evento de Curitiba tem um cardápio bem variado

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 03h00

Com o longa Operação Avalanche, começa nesta quarta, 8, em Curitiba a 5.ª edição do Olhar de Cinema. O filme, dirigido por Matt Johnson, volta aos anos 1960, durante a Guerra Fria entre as duas superpotências. Na trama, especula-se a existência de um infiltrado soviético incumbido de sabotar o programa Apollo, cuja missão era enviar o primeiro homem à Lua.

Esse é o pontapé inicial de uma ambiciosa programação, dividida em várias mostras ou segmentos do festival. Em primeiro lugar, deve-se destacar a mostra competitiva, filé mignon de qualquer festival de cinema. Esta é composta de dez longas-metragens e nove curtas. A proposta é que, embora não renunciando ao caráter de pesquisa de linguagem e experimentação, eles sejam acessíveis ao público, um desafio duplo.

Entre os competidores, há três estreias brasileiras: O Estranho Caso de Ezequiel, de Guto Parente, Eles Vieram e Roubaram Sua Alma, de Daniel de Bem, e A Cidade do Futuro, de Cláudio Marques e Marília Hughes. Eles disputam os prêmios com Outro Ano (China), Gulistan, Terra das Rosas (Canadá e Alemanha), Irmãos da Noite (Áustria), Maestà (França), Antonia (Itália), O Vento Sabe Que Eu Volto para Casa (Chile) e A Última Terra (Paraguai). Tudo novidade.

Isso não quer dizer que não haja sessões reservadas ao panorama histórico. A mostra Olhar Retrospectivo recorda os 40 anos da morte de Luís Sérgio Person programando algumas de suas obras mais significativas como São Paulo S/A. Olhares Clássicos apresenta filmes consagrados em cópias novas. Entre eles, Como Era Verde Meu Vale, de John Ford, Mouchette, de Robert Bresson, e Amarcord, de Federico Fellini.

A mostra Outros Olhares seleciona filmes – curtas e longas – com maior radicalidade de proposta estética. É o setor mais experimental do festival. São, na definição da equipe que o programa, “filmes que fogem do comum e daquilo que estamos acostumados a encontrar nas salas de cinema”. A Mostra Mirada Paranaense é reservada à produção local.

Além do cardápio de filmes, Curitiba sediará uma diversificada programação de seminários, com temas como Curadoria e Programação, Mulheres no Cinema, Cultura na Era do Golpe, Conversas sobre Person e Crítica e Curadoria, além de uma masterclass ministrada pelo diretor Matías Piñeiro, homenageado pelo evento. O festival termina dia 16 com a exibição de A Comunidade, do dinamarquês Thomas Vinterberg.

DESTAQUES

A Comunidade

De Thomas Vinterberg, um dos signatários do Dogma dinamarquês. O filme é uma reflexão sobre as relações de poder numa sociedade igualitária.

São Paulo S/A

Um dos clássicos brasileiros, assinado por Luis Sérgio Person, mostra o vazio existencial na maior cidade da América Latina.

Rosalinda

De Matias Piñeiro. Atores se reúnem para ensaiar As ou Like It, de William Shakespeare.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.