Mostra mapeia retomada do cinema paulista

Beto Brant fez sensação nas mostrasparalelas do recém-encerrado Festival de Berlim com OInvasor, Laís Bodanzky fez, com Bicho de Sete Cabeças, omais intenso filme brasileiro da fase da retomada, que começouhá dez anos, com Carlota Joaquina - pelo menos até a estréiado igualmente admirável Abril Despedaçado, de Walter Salles.Brant e Laís são dois diretores cujas obras integram aprogramação que começa amanhã no Centro Cultural Banco doBrasil.Com curadoria de Amir Labaki, a mostra CinemaPaulista: Retomada com Renovação, mapeia a produção doscineastas de São Paulo nos anos 90, a chamada década daretomada. O acréscimo da renovação ao título do eventoexplica-se porque a a programação privilegia os novos talentos -os autores estreantes ou no segundo filme. É assim que Brantestá na mostra com Os Matadores e entre os demais títulosestão Um Céu de Estrelas, de Tata Amaral, Kenoma, deEliana Caffé, e Nós Que aqui Estamos por Vós Esperamos, deMarcelo Masagão.Para abrir a programação foi escolhido o inéditoLatitude Zero, com estréia anunciada para 8 de março. Osegundo longa de Toni Venturi, sua primeira ficção - após odocumentário O Velho, a História de Luiz Carlos Prestes -,foi premiado no Festival de Brasília de 2000. Depois disso,participou de vários festivais no País e no exterior (Berlim, noano passado, Miami, Cuiabá, Santa Maria da Feira e Kiev),acrescentando mais prêmios à sua carreira.Até por sua militância como presidente em exercício daAssociação Paulista de Cineastas, a Apaci, Venturi tem condiçõesde falar em nome dessa geração de diretores cujas primeirasobras poderão agora ser revisada no CCBB. São 25 títulos, nototal, e Venturi destaca dois aspectos que lhe parecemfundamentais: esses diretores vieram quase todos docurta-metragem e são beneficiários das leis de incentivo. Eleacha que a passagem pelo curta foi decisiva."Acredito que aformação de diretores deve ser feita como um edifício: tijolo atijolo. A experiência no curta nos deu condições de aprendermoso ofício. Você veja que os diretores que mais problemas tiveramcom filmes de grande captação foram aqueles que não tiveram essaexperiência prévia", ele diz. Dois debates, nos dias 23 e 2 demarço, intitulados Como e O Quê, com a participação decríticos e diretores, vão ajudar a esclarecer as característicasdessa produção e a própria personalidade dos diretores queintegram essa geração do cinema paulista.Cinema Paulista: Retomada com Renovação. Amanhã (19),às 20 horas, Latitude Zero. Quarta, às 16 horas, No Rio dasAmazonas; às 18 horas, Os Matadores. Quinta, às 16 horas, OCineasta da Selva; às 18 horas, Loura Incendiária. De 3.ª a dom.R$ 8,00 (válido para todas as sessões). CCBB. Rua ÁlvaresPenteado, 112, centro de São Paulo, tel. 3113-3651. Até 3/3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.