Mostra exibe um Godard com Glauber no elenco

Apresentado pela primeira vez no País, Vento do Leste é a jóia da mostra Metacinemas que o CCBB apresenta de hoje a 4 de julho. O filme de Jean-Luc Godard e Jean-Pierre Gorin, participantes do grupo Dziga Vertov, traz o brasileiro Glauber Rocha em uma pequena participação, representando a si mesmo. Como o título da retrospectiva indica, a curadora Jane de Almeida reuniu na programação filmes que falam sobre filmes. Completam a programação Filme, de Alan Schneider, com roteiro de Samuel Beckett, Um Instante de Inocência, de Moshen Makhmalbaf, O Homem com a Câmera, de Dziga Vertov, A Grande Garganta, de James Williamson, O Desprezo, de Jean-Luc Godard, Um Olhar a Cada Dia, de Theo Angelopoulos, 8 1/2, de Federico Fellini, Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder, e A Noite Americana, de François Truffaut. Ao longo da mostra haverá dois debates. No sábado, às 18h10, com Ismail Xavier e Arlindo Machado, e dia 3 de julho, com Antonio Medina Rodrigues e Vladimir Safatle. São títulos bastante conhecidos pelos fãs de cinema de arte. Mas Vento do Leste era uma raridade, ao qual até mesmo os cinéfilos só se referiam por ouvir falar. Sabia-se que o filme faz parte da série do grupo Dziga Vertov, cuja questão era discutir as formas de representação de um cinema que se queria político acima de tudo, no final dos anos 60. Por isso, a pequena cena com Glauber Rocha é estratégica. Ele está numa encruzilhada, entre o cinema comercial (de aventura, de Hollywood) e o cinema do Terceiro Mundo, que ele mesmo chama de "perigoso". Glauber indica o caminho para uma mulher grávida que se diz perdida. Ela pergunta: "Desculpe interromper a luta de classes, mas você poderia me dizer o caminho do cinema político?" Glauber mostra a direção do do cinema perigoso, divino, maravilhoso.Metacinemas - No Centro Cultural Banco do Barsil de São Paulo, Rua Álvares Penteado, 112, Centro. Telefone: (11) 3113-3651. De terça a domingo, até 4 de julho. R$ 4,00 e R$ 2,00. Clique aqui para ver programação completa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.